Dia da Poesia e do Nascimento de Johann Sebastian Bach


Johann Sebastian Bach, Eisenach, 21 de março de 1685 – Leipzig 28/07/1750,
foi um compositor, cantor, maestre, professor, cravista, violista e violinista
da Alemanha.Nascido em uma família de longa tradição musical, cedo mostrou possuir talento e logo tornou-se um músico completo. Estudante incansável, adquiriu um vasto conhecimento da música europeia de sua época e das gerações anteriores. Desempenhou vários cargos em cortes e igrejas alemãs, mas suas funções mais destacadas foram a de Kantor da Igreja de São Tomás e Diretor Musical da cidade de Leipzig, onde desenvolveu a parte final e mais importante de sua carreira. Absorvendo inicialmente o grande repertório de música contrapontística germânica como base de seu estilo, recebeu mais tarde a influência italiana e francesa, através das quais sua obra se enriqueceu e transformou, realizando uma síntese original de uma multiplicidade de tendências. Praticou quase todos os gêneros musicais conhecidos em seu tempo, com a notável exceção da ópera, embora suas cantatas maduras revelem bastante influência desta que foi uma das formas mais populares do período Barroco.[1]

Sua habilidade ao órgão e ao cravo foi amplamente reconhecida enquanto viveu e se tornou legendária, sendo considerado o maior virtuose de sua geração e um especialista na construção de órgãos. Também tinha grandes qualidades como maestro, cantor, professor e violinista, mas como compositor seu mérito só recebeu aprovação limitada e nunca foi exatamente popular, ainda que vários críticos que o conheceram o louvassem como grande. A maior parte de sua música caiu no esquecimento após sua morte, mas sua recuperação iniciou no século XIX e desde então seu prestígio não cessou de crescer. Na apreciação contemporânea Bach é tido como o maior nome da música barroca, e muitos o vêem como o maior compositor de todos os tempos, deixando muitas obras que constituem a consumação de seu gênero. Entre suas peças mais conhecidas e importantes estão os Concertos de Brandenburgo, o Cravo Bem-Temperado, as Sonatas e Partitas para violino solo, a Missa em Si Menor, a Tocata e Fuga em Ré Menor, a Paixão segundo São Mateus, a Oferenda Musical, a Arte da Fuga e várias de suas cantatas.[1]

Fonte: http;//pt.wikipedia.org

Este blogue tem dedicado uma atenção especial à POESIA e hoje que é o

Dia Internacional da Poesia, posso garantir que aqui, vai continuar a acontecer

poesia.

Este blogue acaba de ultrapassar as MIL VISITAS

Este blogue foi criado a 09-Janeiro-2011 e o contador de visitas iniciou a 0.
Hoje 21 de Março, atingiu as 1.004 visitas(até ao momento) e aqui só contam
efetivamente quem visita o blogue, não (do próprio blogue) pelo que, tenho
que estar muito feliz e agradecida a quem aqui tem vindo e prometo fazer
por merecer essa continuidade.
Beijnhos a todos
Irene Alves

 



PRISIONEIROS DA PAIXÃO

Se não pode me dar seu coração
tudo bem, não tem problema
deixe-me apenas dominá-lo por algumas horas
relaxe, se entregue e nada tema;

Vou invadi-lo por breves momentos
Preenchê-lo com uma enxurrada de sentimentos
cercando você de beijos e carinhos,
percorrendo todos os seus misteriosos caminhos.

Como se fosse uma vasta terra
a tombarei e prepararei para o plantio
e cuidarei sempre dessa feita
para garantir uma boa colheita.

Feito um guerreiro audaz
seqüestrarei seus pensamentos mais secretos
ocuparei todos seus espaços
com ataques sutis e indiscretos.

Como um pirata, bandido do mar
invadirei e pilharei sua embarcação
e dela levarei seu maior tesouro
serei dono absoluto do seu coração.

Como uma águia sobrevoarei seus montes
e quando estiver entregue e indefesa
darei um mergulho rápido e fatal
farei de você minha presa.

E presa a mim não desejará se libertar
nem esboçará a menor força para escapar
pois, nesse momento, descobriremos juntos
as mais belas maneiras de amar.

Sucumbiremos em meio a sussurros e delírios
entregues aos prazeres da tentação
seremos um em carne e espírito,
prisioneiros eternos da doce paixão.
© Valter Montani
(Revisão de texto: Regina Azevedo)

(cedido pelo blogue
http://valterpoeta.blogspot.com

que sugiro visitem.)