Que importa o caminho da garrafa que atirei ao mar?

Que importa o gesto que a colheu:

   Que importa a mão que a tocou

      -se foi a criança

      ou o ladrão

      ou o filósofo

quem libertou a sua mensagem

e a leu para si ou para os outros.

 

Que se destrua contra os recifes

   ou role no areal infindável

   ou volte às minhas mãos

na mesma praia erma donde a lancei

 

…se só de atirá-la às ondas vagabundas

    libertei meu destino

    da sua prisão?…

      MANUEL LOPES

 

(cedido pela MALU do blogue:

http://aquinesselugarmesou.blogspot.com

que sugiro visitem.)