QUASE NADA gentilmente cedido por Daniella Dal’Comune

Não era o nada
Não era ainda o nada
Era tão pouco porém
Tão pouco que era quase nada

No meio
Pela metade

Entre o Sol e a Lua
Dentre tantas e nenhuma

Pisca a estrela
Acende, apaga
Incendeia, esmorece
Amanhece

Vislumbra, deslumbra
Cai na penumbra

Passada, passada
Circula, circula
Vai mas não vai
E sorri, e brilha
E chora, e se camufla
E cai no vão
Dos que não vão…
Em vão
E nada mais
E mais nada

sugiro visitem seu blogue

http://divalosofando.blogspot.com