Pinturas que parecem formas de vida coloridas ou cidades futuristas que se expandem e se retraem flutuando no espaço.O caos que se reordena, a ordem que se descontrói.Formas geométricas que parecem explodir.(eli boscatto)

Abstrato, expressionista, surreal. As formas quebradas, dobradas, espiraladas, que se unem e se separam. Embriaguez para a retina.
Sobre como tornar visual o metafísico, a dualidade, a concepção do cosmos. Eis a obra de Vernon.

Oliver Vernon nasceu em Nova York em 1972. Recebeu seu BFA pela Parsons School of Design em 1995, e atualmente vive e trabalha no Brooklyn. Ele já expôs seu trabalho em cidades de todo os Estados Unidos e internacionalmente. Seu trabalho faz parte de inúmeras coleções, incluindo o Museu Metropolitano de Arte. Oliver Vernon se vale de uma gama variada de influências, desde o expressionismo abstrato, para postar surrealismo pop e do acabamento polido do realismo figurativo.
Formalmente, seu trabalho é sobre a desconstrução e, portanto, a necessária reconstrução do espaço visual. A partir desta dicotomia central, deriva muitos outros: lógica / ilógica / físico / metafísico / prisão / libertação. Suas pinturas vem até nós talvez, como snapshots detalhadas dos poucos milissegundos primordiais quando o modelo do universo estava sendo esculpido dos espasmos finais do caos. Neste sentido, vale tudo. Cada pintura tem o seu próprio conjunto de regras, ou melhor, as regras estão a ser dobrado, quebrado e, finalmente, formado dentro de cada pintura. Cor, forma, energia, arquitetura, o bom, o mal, a carne e a máquina estão à espreita, nunca como entidades físicas, mas como arquétipos transitórios em busca de seus lugares finais no âmbito do cosmos.
Além desta visão macro, o trabalho de Oliver pode ser visto no nível micro também. Podemos ver suas pinturas como representações de como a mente é formada a partir de uma base de pensamento, a razão e a estética, e como essas entidades estão simultaneamente em desacordo e interligadas.

Fontes: http://www.oliververnon.com http://www.davidbsmithgallery.com/artist/…/ oliver –
ver
OBVIOUS

Artigo da autoria de Eli Boscatto.
Leia mais: http://lounge.obviousmag.org/por_tras_do_espelho/2012/05/oliver-vernon—pinturas-que-deliram-o-olhar.html#ixzz1wiiDt5Wi

S E N T I M E N T O cedido por SOL DA ESTEVA

Naão sei qual é a causa do tormento!…
Que fundo é este mar que nos sufoca!…
Estranho! Tal sabor, que alimento
Na dor, que bem aperta a nossa boca.

E, ante o dia cru, que se passou,
De nervos e de espera… e de tensão,
Na ânsia de querer o que ficou
Tão longe deste nosso coração.

E a ânsia foi constante, no desejo
Comum dos nossos seres apaixonados…
Apenas um olhar ou terno beijo

Teriam destruído o sofrimento
Que haja, ao manter-nos separados,
Pondo á prova o nosso sentimento.

………………………………………………………….

Este poeta é de Vila Nova de Gaia/Porto
e faz o favor de ser meu amigo.
Sugiro uma visita ao seu blogue,
onde poderão encontrar mais poesia
de qualidade.
http://acordarsonhando.blogspot.com