Fernando Pinto do Amaral

*Prisão

Aqui te sequestramos, meu amor:
ergues os braços, viras a cabeça
cada vez mais atenta – são dois olhos
onde começa o mundo.

Que ciência é a tua? Que magia
transforma a luz de cada lâmpada
no mais puro relâmpago?

É tão difícil encontrar saída,
uma linha de fuga para os gestos,
uma resposta digna desses gritos.

Ensina-me a romper todas as grades
do berço que te embala,
a abrir contigo as portas, decifrando
a matéria que é mais do que matéria,
a que chamamos corpo.

Aqui te sequestramos, com o amor
de quem sabe e não sabe e talvez
não tenha salvação.

Assim te sequestramos, assim estamos
também nós sequestrados desde sempre
no prazer e na dor,
à procura de um íman que nos fale;
de alguém para escutar o nosso antigo pranto;
de uma vez que nos cante às escuras
até adormecermos.

(da página de Anabela de Araújo
no facebook)

JÁ NÃO HÁ DOMINGOS – Mia Couto


Todas as vidas gastas

para morrer contigo.

E agora
…esfumou-se o tempo
e perdi o teu passo
para além da curva do rio.

Rasguei as cartas.
Em vão: o papel restou intacto.
Só os meus dedos murcharam, decepados.

Queimei as fotos.
Em vão: as imagens restaram incólumes
e só os meus olhos se desfizeram, redondas cinzas.

Com que roupa
vestirei minha alma
agora que já não há domingos?

Quero morrer, não consigo.
Depois de te viver
não há poente
nem o enfim de um fim.

Todas as mortes gastei
para viver contigo.

(extraído da página do Facebook:
de Anabela de Araújo)