AGUARELA cedido por Luz

coco-eyes-mirror-429A minha alma usa o meu corpo velhaco e devasso

agitando o desejo incontrolável, que do teu sente

entregando-me ao turbilhão dos vícios delirantes

como mulher, prostituta, amiga, irmã e amante.

Fico como a relva, vulnerável, sujeita, no verão

a que qualquer brisa ou faísca, lhe acenda o fogo

e lhe dilacere as entranhas, tão subtis e tão pueris

como se eu fosse um vulcão, em constante erupção.

Olho-te, e sou cão sem dono, esperando uma festa

ganindo, extasiado, louco, e sem força para ladrar

e dispo-me, esperando o reboliço e aquele feitiço

como se o tempo fosse, naquele momento, parar.

Depois, deixo-te passear pelo meu corpo absorto

ao ritmo de uma música febril que só tu conheces

dedilhando-me de forma única, que me estremece

na apressada descida para o meu rio, teu porto.

Agora sei por que é que as flores, aquelas levianas

se abrem, plácidas, aos insetos zonzos, esfaimados

que lhes sugam, de olhos cegos, o néctar apetecido

provocando-lhes tremores e espasmos convulsivos.

Vem, amor! Não receies! Envolve-me com calma

que só me fará bem, pois estou pronta e esfomeada

de água na boca, espumando, ávida e desidratada

de uma gota de ti, que me humedeça e aconteça.

Avança! Deita-me no chão, e prende-me bem, toda

segurando-me com força selvagem e instinto animal

esmiuçando-me, já quase sem tempo, devorando-me.

Faz como o vento, e derruba habitações e plantações

invade caminhos e ruas, e devasta-me, com rigidez

numa ânsia desmedida, de muitos quilómetros hora

em rajadas dantescas, estocadas, sim, vem, agora

pois o meu corpo fustigado, vai abrir-se, sem demora.

O cheiro que de ti jorra, escorre em mim, misturado

numa amálgama sonhada, conseguida e desmesurada

onde os sentidos convergem, numa doce emboscada

provocando-me, perturbando-me e aquecendo-me

como raio de luz dourada, ou como pomba sagrada

que entra, sobrevoa e ilumina a minha vida já ditada.

Aninho-me em ti, na esperança de mais um carinho

que chega, quando me sugas a língua, devagarinho.

Após este vendaval, merecemos algo reconfortante.

Pega-me ao colo, abraça-me, dá-me mimos a valer

na fragrância da nossa banheira desafogada e ousada

alindada com pétalas de rosinhas e aromas sensuais

em carícias e movimentos fogosos, sãos e libidinosos

num intercâmbio espontâneo de tudo dar e receber.

As tuas duas mãos assustadas, parecem insuficientes

para supervisionar, tatear e afagar as minhas curvas

que te enlouquecem, te deslumbram e te apetecem.

Fecho os olhos. Tens, agora, a tua natural liberdade

que te conduz a mão para o teu mar bravo, carente

que se quer amainado, aliviado e por ti entornado

na impetuosidade descompassada dos teus sentidos

e num grito único, o meu corpo fica sujo e quente.

Abro os olhos. Somem-se as palavras. Ficamos sós.

Limpo-te as carnes já despejadas, e ali, tombadas

num cenário digno da mais deslumbrante aguarela

que as tuas mãos pintaram e sensíveis espalharam

pelo meu corpo, em ziguezagues e laivos de amor

no mais erótico quadro, onde só constávamos nós.

Autora: Luz

É mais uma amiga minha da Net, de Lisboa,
que escreve poesia de que eu gosto e teve
a gentileza de permitir que eu insiro
neste blogue um dos seus poemas.Obrigada,Luz

Sugiro uma visita ao seu blogue:
http://afetosecumplicidades.blogspot.pt

Autor: sinfoniaesol

Viver é o mais importante de tudo e se for com amizade, amor e saúde, que mais pedir?Viva a Vida!!!

19 opiniões sobre “AGUARELA cedido por Luz”

  1. Qué preciosidad de poesía!!!!! Qué hermoso escribe tu amiga, veré si puedo darme un paseo por su blog.

    SIEMPRE GRACIAS POR COMPARTIRNOS TAN BELLOS TRABAJOS.

    BESITOS!!

    1. Olá, Irene!

      Que lindo, que sensual, tudo o ambiente criado à volta do meu poema.
      Bom gosto, minha amiga. Obrigada.
      Nem a “Cavalgada” faltou.

      Sinto que este seu blogue, precisa de ser mais divulgado. Se lhe for posssível, vá até junto de blogues conhecidos ou não, e peça-lhes uma opinião.
      Claro que isto nada tem a ver com o facto de estar, aqui, um poema escrito por mim,ou não, mas reparo que mesmo outras publicações não são muito comentadas.

      Faça vingar, dar a conhecer este, porque eu acho que muita gente não o conhece ainda e ele já fez um ano.
      Também penso que as postagens são muito seguidas, não dando tempo para as pesoas, comentarem.
      Dois, por semana, talvez fosse o ideal. Que acha?

      Boa semana
      Beijinho da Luz.

      1. Boa tarde, Irene!

        Espero que esteja bem.
        Passei por aqui, pra ver e ler mais alguns comentários, mas o numero é o mesmoo, de ontem.
        Eu sei que uma das pessoas, a Elvira, do Sexta-Feira, deixou cá umas palavrinhas, mas não sei o que aconteceu. Será que não digitou o endereço de e-mail dela? Mas, ela é tão inteligente e perspiscaz, não me parece que seja essa a questão.!
        Vou tentar saber, embora ela esteja com problemas de visão, não podendo, por isso, estar no computador, por muito tempo.

        Tenha um dia feliz.
        Beijinhos da Luz.

        PS: lá me estão a pedir, de novo, o e-mail e o nome. Isto assim, desmotiva, não é prático., acho eu.

  2. Olá,Irene!

    Com a cavalgada do Roberto Carlos, o poema da Luz e, o seu enquadramento, nada é deixado ao acaso.

    Permita-me que lhe diga, que ela é a minha inspiradora e “encantadora”, mas, não pretendo o seu monopólio.Ela é uma “mão cheia” de afectos.

    Parabéns pelo seu blogue.Gostei sem favor.
    Saudações,

  3. Olá, Irene,
    Li este texto há pouco na LUZ.
    O texto é muito bem escrito, sensual e contém uma dosagem certa de erotismo. A LUZ é possuidora de uma excelente escrita e mente imaginativa, o que nos leva a viajar nos cenários de seus lindos e bem elaborados textos.
    Gostei muito de vê-lo também aqui.

    Beijo,

  4. tive o prazer de visitar este blogue aceitando o simpático convite de uma amiga que temos em comum. não deixo de lhe dar toda a razão quando a mesma recomenda que este blogue tenha uma maior divulgação e para isso, também eu, reforço, dizendo que navegue pela blogosfera e aproveite o muito de bom que nos é oferecido pela escrita por muitos partilhada.
    neste seu blogue há todo um ar respirável, não só pelo que aqui se escreve, como pelo aspeto cênico onde o mar, a natureza, o céu, são dignos representantes do bom gosto e da harmonia.

    do poema da sua, e minha, amiga Luz… que dizer…??
    a Luz envolve-nos num turbilhão, saudável, de sentimento, de desejo e entrega. em cada palavra sente-se o calor contagiante, de muitas emoções, de muitas sensações e de todo um atrevimento apaixonante que nos permite, acima de tudo, fazer parte desta cumplicidade poética.

    Parabéns, para si, pelo seu blogue.

    até

  5. Olá. Vim conhecer o seu blogue e acabei encontrando um poema da Luz. Um belo poema que já conhecia, mas que reli com prazer. Gostei das suas crianças, da homenagem aos seus pais, do moinho de maré aqui perto. E adorei a sua imagem aos sete anos que penso era moda eu tenho uma mais ou menos com a mesma idade e muito parecida.
    Um abraço

  6. Olá, Irene!

    É longo este poema; e também erotismo refinado, sensual, fusão de alma e corpo – e tudo isto dito com imenso talento e bom gosto – uma delícia!
    Parabéns a autora, e também à Irene por ter aqui trazido este texto.

    Beijinhos; boa semana.
    Vitor

  7. Gostei muito deste poema que nos oferece. Parabéns à sua autora!
    Não é fácil falar ou escrever sobre as emoções, sobre o ser mulher em toda a plenitude. E a Luz tem o dom de as escrever ou descrever com muito realismo, mas acompanhadas do sentimento mais puro, o Amor. Lindo!|
    Obrigada às duas. Bjs. Bombom

  8. Me gustaría ser una gota de lluvia,
    Para nacer al borde de unos bellos ojos
    derramarme por la luz de las mejillas
    y romperme en la silueta de los labios,
    para iluminarte con una sonrisa cada mañana.

    ¡¡Un feliz y radiante fin de semana te deseo!!

    Atte.
    María Del Carmen

    1. E aqui está uma verdadeira ode ao amor, um amor sensual, erótico qb, como deve ser este tipo de amor; que bom que é termos um colinho onde nos aninhemos recebendo carícias sinceras.fazendo com que todo o nosso corpo e alma rejubilem de contentamento; depois surge aquela calmaria que suaviza a nossa noite depois de um dia por vezes muito tortuoso,” muito resvaloso”, como diz Guimarães Rosa. Adorei amiga. Parabéns a ti e à autora desta maravilha. Um beijinho e até breve.
      Emília

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s