bandeira_de_portugal_cartao-p137048610387024910bfm56_400adelina

 

A PORTUGAL

Meu Portugal, meu berço de inocente,
lisa estrada por onde andei, débil infante,
variado jardim do adolescente,
meu laranjal em flor sempre odorante,
minha tarde de amor, meu dia ardente,
minha noute de estrêlas rutilante,
meu vergado pomar de um rico outono,
sê meu berço final no último sono!

Costumei-me a saber os teus segredos
desde que soube amar; e amei-os tanto!…
Sonhava as noutes de teus dias ledos,
afogado, de enlêvo, em riso e em pranto.
Quis dar-te hinos de amor; débeis os dedos
não sabiam soltar da lira o canto,
mas … amar-te o esplendor de imenso brilho
– eu tinha coração e era teu filho!…

JARDIM DA EUROPA À BEIRA-MAR PLANTADO
e louros e de acácias olorosas,
de fontes e de arroios serpeado,
rasgado por torrentes alterosas,
onde num cêrro erguido e requeimado
se casam em festões jasmins e rosas;
balsa virente de eternal magia,
onde as aves gorgeiam noute e dia!

O que te desdenhar, mente sem brio
ou nunca viu teus prados e teus montes
ou nunca, ao pôr do sol de ameno estio,
viu franjas de ouro e rosa os horizontes,
ondas de azul e prata em ada rio,
as perlas e os rubis de tuas fontes,
nem de teus anjos – térreo paraíso –
sentiu o magnetismo num sorriso.

Pátria! Filha do sol e das primaveras,
rica dona de messes e pomares,
recorda ao mundo ingrato as priscas eras
em que tu lhe ensinaste a erguer altares.
Mostra-lhe os esqueletos das galeras
que foram descobrir mundos e mares …
Se alguém desprezar teu manto pobre,
ri-te do fátuo que se julga nobre!

Tomás Ribeiro, D. Jaime

(da página de Facebook
de Adelina Velho da Palma)