OS TEUS OLHOS – Nilson Barcelli

olhos

Sem ainda ter pisado
todos os degraus,
suspiro pelos teus olhos,
espelhos côncavos
de sedução, que me perfumam a noite
de animais de estimação.

Ao vê-los,
sucede em mim a paz e o desejo,
a guerra
e o enlevo,
encontro vénus
e a tua boca
gira à volta da minha frágil razão,
engolindo-me vivo.

Rogo, para que os céus
me enviem do espaço, uma luz
tâo cândida como a do teu rosto,
uma luz
criada pelas tuas palavras,
palavras azuis
que sejam gémeas dos teus olhos.

Nilson_Barcelli

(sugiro uma visita ao seu blogue:
http://nimbypolis.blogspot.c
om
)