de: JOSÉ SARAMAGO

saramago

“Escrever é traduzir.
Mesmo quando estivermos a utilizar a nossa própria língua.
Transportamos o que vemos e o que sentimos para um código convencional
de signos, a escrita…”

“…e deixamos às circunstâncias e acasos da comunicação a responsabilidade
de fazer chegar à inteligência do leitor, não tanto a integridade
da experiência que nos propusemos transmitir…”

“…mas uma sombra, ao menos, do que no fundo do nosso espírito sabemos
bem ser intraduzível, por exemplo…”

“…a emoção para de um encontro, o deslumbramento de uma descoberta,
esse instante fugaz de silêncio anterior à palavra que vai ficar
na memória como o rastro de um sonho que o tempo não apagará por
completo.”