Por me encontrar na Irlanda e porque me esqueci de trazer alguns apontamentos

comecei a ter dificuldade e agora impossibilidade de aceder aos meus blogues:
umsolquente.blogspot.pt
plullina.blogspot.pt
intemporal-pippas,blogspot.pt

pelo que so posso utilizar este blogue. Aos visitantes dos outros blogues e que deixam

os seus comentarios as m|desculpas e ira prolongar-se ate quase ao final de Junho.

Entretanto deixo aqui o texto de um email que recebi de um bloguista amigo:

Envio-vos esta mensagem por vários motivos, a saber:

1) Para vos solicitar os vossos bons ofícios para ajudarem no convite a novas/os bloguistas que convosco se correspondam e que queiram passar a seguir a http://www.aminhatravessadoferreira.blogspot.com , nela comentar e assim se inscreverem na minha lista de (per)seguidores. Como uma vez já disse, penso concorrer ao Guiness Book…

2) Para vos solicitar uma outra vez ainda que me enviem os vossos endereços de email a fim de os registar na minha list mail e assim poder avisar-vos, por exemplo, de novos postes, o que venho já fazendo habitualmente.

3) Para vos convidar a entrar em trocas de opiniões, a propósito das minhas respostas a comentadoras/es ou sobre comentários diversos de outras pessoas. Pelo-me por debates, polémicas e afins…

E para já chega. Desculpem-me o tempo que vos terei roubado. Muito obrigado.

Uma homenagem justa a Maria Jose Nogueira Pinto(uma mulher que eu admirava)

É com uma escultura em forma de uma casa cortada ao meio, onde o céu é o tecto, que a Câmara de Lisboa homenageia Maria José Nogueira Pinto, a antiga vereadora com o pelouro da Habitação Social.

A obra situada de frente para o Rio Tejo, na renovada Ribeira das Naus, foi criada pelo escultor Rui Sanches. Em cimento banco, com um perfil em aço a traçar o telhado, a escultura foi inspirada na personalidade da jurista e política, que morreu em Julho de 2011, aos 59 anos.

À Renascença, o escultor Rui Sanches explica que a obra assenta em factos como “a acção que Maria José Nogueira Pinto teve pela cidade relacionada, sobretudo, com a zona da Baixa-Chiado e a sua recuperação, ou seja, essa ideia de uma pessoa que está associada à construção de uma obra no sentido lato”.

O autor da escultura indica, também, que outro dos traços da personalidade da antiga militante do CDS-PP que o inspiraram foram o seu sentido profundamente católico e conservador, “de alguém que acredita que há algo que rege de alguma forma a organização das coisas no mundo”.

Escultura com gente dentro
O memorial, encomendado pela autarquia de Lisboa, tem no seu interior dois bancos e um imensa janela com vista para o Rio Tejo. Rui Sanches explica que esta ideia de uma escultura poder ter gente dentro reflecte a sua vontade de que, “no meio da confusão da cidade, as pessoas possam ter ali um sítio onde possam ter algum recolhimento e calma para se sentarem e olharem para o rio”.monumento-maria-jose-nogueira-pinto23083e21_400x225

NO AMANHECER DO HOMEM
Célia Laborne Tavares

Silencia, por um instante, essa voz que apenas recrimina, pede e indaga, enquanto a Vida canta e se esforça por te ensinar o seu canto. Fecha teus ouvidos às máquinas e aos conceitos do mundo e do tempo; eles estão cheios de sons e imagens de sonhos materiais e desarmônicos. E, só no silêncio pleno, podes ouvir o cósmico poema sideral, a música das esferas, a grande mensagem que te é passada a cada dia e que deixas perdida no éter.
A grande Vida está aí, cheia de revelações; está aí a paz que transcende toda racionalização, a realidade que transpõe teu finito intelecto, tua humana necessidade de te afirmares, para mostrar-te que és uma parte luminosa do Todo Universal. Se emites sombras, como poderá ser claro o teu mundo?
Entretanto, está aí a fonte que jorra a água eterna, a faixa de luz do espírito que já se reconheceu como espírito, e espalha sua claridade, generosamente, por todos os quadrantes. Ensina à tua mão o gesto de benção (há quanto tempo não abençoas?). Cria para ti a amplitude da dança, desenhando, no espaço, o ritmo das correntes vivas de onde emanam o poder e a beleza que, um dia, a matéria aprisionou e racionalizou.
Limpa tua mente e aquieta-te para que o silêncio comece em ti a liberação verdadeira.
Guarda o protesto, a ironia, o julgamento apressado e sem fundamento e contempla a luz que é dada, gratuitamente, para que teu caminho seja amenizado. E, se algum espinho te ferir, aí também estará o aprendizado indispensável à realização, toma-o como lição.
Os guardiões atentos estão nos reinos e sub-reinos de tua conquista, nos portais ainda não explorados por ti. Não dorme mais que o tempo é curto e pássaros de fogo anunciam a madrugada. Não permanece ausente ou omisso, toca a Terra reverenciando o Criador.
novo3

Eleições Europeias em Portugal

O Movimento Partido da Terra (MPT) conseguiu eleger um segundo deputado nas europeias, revela a Direcção-Geral da Administração Interna (DGAI), confirmando-se como a grande sensação das eleições de domingo.

Além do cabeça de lista Marinho Pinto, ex-bastonário da Ordem dos Advogados, o MPT também conseguiu eleger o número dois da lista, José Inácio Faria.

Os outros três mandatos para as eleições europeias que faltavam apurar, por serem ainda desconhecidos todos os votos, foram distribuídos pelo Partido Socialista, coligação PSD/CDS Aliança Portugal e CDU, indica a Direcção-Geral da Administração Interna numa altura em que estão contabilizados 99,62% dos votos.

Com 12 consulados por apurar, de um universo de 71, “é possível concluir pela certeza da distribuição dos quatro mandatos ainda não atribuídos na plataforma às candidaturas da Aliança Portugal, CDU – Coligação Democrática Unitária, Partido da Terra e Partido Socialista (indicados por ordem alfabética, por não ser definitiva a ordem da sua atribuição)”, lê-se no site.

Assim, foram eleitos Liliana Maria Gonçalves de Gois, pelo PS; José Inácio da Silva Antunes de Faria, do MPT; Miguel Lopes Viegas, da CDU; e José Manuel Fernandes, da coligação PSD/CDS Aliança Portugal.