NÃO ME PEÇAS MAIS POEMAS

Não me peças mais poemas

que eu sou a desordem

assassina e construtora

dos meus eus,

de alma à procura e em debandada

do teu cálice.

Não me peças mais poemas

que eu sou o canto

no deserto e no oásis

de um palco sem auditório

repleto de cegueira,

sem cortina de fogo e vomitório.

Não me peças mais poemas

que a tua rosa é cadeia sem desonra,

é saia comprida

ainda sem rugas

da liberdade de te amar

na desordem dos meus e dos teus eus.

 

retirado do blogue do Nilson, com a devida autorização.

Podem visitar o mesmo:

454545http://nilsonbarcellipoesia.blogspot.pt/