DESTINOS – Carlos Fragata

vida

Levanta-se, vai acordar o dia,
Pois bem antes do sol, já está na lida,
Manda embora a lua adormecida
Que está junto d’aurora e nem a via!

Merenda preparada, vai à vida,
Que a terra já o chama e desafia…
Não era esta a vida que queria,
Foi-lhe pelo destino atribuída!…

Sonhador como ele sabe ser,
Vai acariciando o arado,
Sonhando com o dia de colher.

Humilde como é, aceita o fado
Que lhe coube na sorte, ao nascer
E sorri à tristeza, resignado…

Carlos Fragata
Foto: Nuno Correia