É TARDE MEU AMOR da sublime poetisa ROSA MARIA(madrinha deste blogue)

É tarde meu amor…o céu já não tem estrelas e o sol adormeceu esperando mais uma noite sem gestos…tão tristemente silenciosa morrendo em cada sulco da minha pele…em cada olhar vazio no fundo da madrugada onde nasce a solidão e as minhas mãos adormecem vazias como quem afaga o silêncio…como quem acarícia as últimas rosas que floriram no meu corpo.
É tarde meu amor…já nem sinto a alma…o meu coração gelou…as asas estão quebradas e os sonhos já não sabem voar…o meu corpo adormeceu deitado nos meus braços…num lugar vazio por entre as cinzas da memória onde talvez sejas apenas a recordação de um sonho onde não estou.
É tarde meu amor…mas ainda te quero dizer que desejo a tua nudez acariciando os meus dedos…o teu corpo no meu corpo como uma suave melodia de Outono…como um poema escrito em silêncio nas minhas mãos de espera…na minha boca murmurando desejos…na minha voz sussurrando como quem pede…como quem morre na noite vazia.
É tarde meu amor…a minha alma despiu-se de mim…a dor deixou de doer e as feridas vão sarar com o tempo…na recordação do que fomos e na saudade do que deixámos de ser e que ficou guardada num lugar que é apenas meu…num instante que se perdeu na memória do tempo onde se desfizeram em cinzas as últimas chamas de um verão em Dezembro.
É tarde meu amor…já não me consigo inventar para voltar a ser criança…no fundo dos meus olhos já não há arco-íris…a minha boca apagou o sorriso e o meu rosto perdeu a beleza de um tempo de onde não se pode voltar…pedaços que não se podem juntar e mágoas que não se podem apagar…amantes que não se conseguem inventar e mãos que não se conseguem entrelaçar…sonhos que se desfizeram em cinza nos corpos que não adormecem no mesmo leito.
É tarde meu amor…de nós apenas restou o silêncio adormecido no meu olhar e o Inverno dos teus gestos…os fios de lembranças que escorrem dos meus dedos como carícias adormecidas…murmúrios silenciosos ecoando no entardecer da ternura onde o teu corpo é apenas o espelho embaciado dos meus sentidos e o meu corpo é apenas um corpo só.
É tarde meu amor…as noites já não me sussurram desejos…a minha pele já não se perfuma de amor e a minha boca é apenas a memória de um beijo num murmúrio silencioso…um sopro de eternidade de quem já nada espera.

Escrito por : Rosa Maria
rosa