O Rio – Célia Laborne Tavares

     
 
 
Nasceu o rio de claridade, o rio de cristal,
e conheceu a Terra e a possuiu.
Desejou os rochedos e os desenhou
e os cobriu de espumas.
 
O rio correu em transparências, o rio vivo,
aprendeu a música e a cantou nos campos
e abraçou as pedras.
 
O rio inventou o lago, o rio calmo,
e o encheu de sonhos,
desejou o céu e o refletiu.
 
O rio avistou os barcos, o rio móvel,
e os levou consigo,
e os acariciou.
 
O rio insaciável descobriu o mar
e se fez verde – águas verdes de encantamento – 
 
E o rio louco correu para ele
e se perdeu em seu seio
e se afogou para sempre.