Fonte: Observador online – Gonçalo Correia/André Kosters(Lusa)

A agência de rating Fitch divulgou um comunicado em que diz que as previsões do governo português, apresentadas no esboço do Orçamento de Estado para 2016, podem ser demasiado “otimistas” e “irrealistas”. A agência alerta que pode baixar o rating de Portugal (que neste momento se encontra em BB+) perante uma “trajetória menos favorável” das contas públicas nacionais.

No comunicado enviado à imprensa, os analistas da Fitch que seguem Portugal, Federico Salazar e Douglas Renwick, afirmam que o primeiro rascunho para o Orçamento do Estado, revelado na semana passada, “pretende manter a consolidação fiscal, mas é baseado em previsões de crescimento, de receita e de planos de despesas que se podem vir a revelar irrealistas“.

Ainda que elogiando o compromisso do governo português em cumprir as regras europeias, a agência alerta que as suas previsões para o crescimento real do produto interno bruto (PIB) português é de apenas 1,7%, o que contrasta com as previões mais otimistas do governo, que apontam para um crescimento de 2,1%. Também na dívida pública, a Fitch desconfia das previsões: o Governo prevê que esta caia para 126% do PIB em 2016, ao passo que a agência prevê que se fique pelos 127,9%.

“Os dados recentes não indiciam nenhuma melhoria notável nas taxas de crescimento e a expectativa de que o aumento da procura externa levará ao aumento das exportações pode vir a revelar-se otimista, dado o abrandamento dos mercados emergentes e o fraco crescimento da Zona Euro“, avisa a Fitch, que deixa ainda algumas críticas ao documento orçamental:


Algumas medidas na proposta não estão detalhadas, tornando pouco claro se o governo irá conciliar os seus objetivos de consolidação fiscal moderada com os seus compromissos pré-eleitorais de reverter as medidas de austeridade.”

A agência de rating lembra, ainda, que “as finanças públicas e a postura fiscal” do governo português são essenciais para eventuais alterações do rating do país. “Um relaxamento fiscal que resulte numa trajetória menos favorável nos níveis de dívida/PIB” ou “um crescimento mais fraco que tenha um efeito negativo nas finanças públicas” pode levar a “uma ação negativa de rating“, avisam.

Texto editado por Pedro Esteves

Partilhe

Visite-nos no Facebook

Junte-se a mais de 250.000 fãs do Observador no Facebook para ficar sempre a par dos nossos melhores artigos.
19129770_1280x720_acf_cropped_770x433_acf_cropped

Autor: sinfoniaesol

A vida deve ser vivida intensamente. Sempre foi esse o meu lema.

1 thought on “Fonte: Observador online – Gonçalo Correia/André Kosters(Lusa)”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s