Fonte: Visão online

A três dias do debate do Estado da Nação, o líder do PSD fez esta segunda-feira, 4, o exame à governação de António Costa. Em “2016: o ano da reversão da credibilidade”, o artigo de opinião que publica no Diário de Notícias, Passos Coelho começa logo por dizer que num ano as coisas mudaram muito, “infelizmente para pior”.

O líder da oposição começa por ressalvar que a perspectiva de crescimento económico recuou para 1% e que o emprego parou de crescer. “O investimento caiu a pique e as exportações interromperam os bons resultados do passado, deixando antever uma deterioração da balança externa”, nota ainda Passos Coelho.

Para o líder do PSD, o desfile de desgraças não acaba aqui: “crescem novamente os atrasos de pagamentos a fornecedores”, “o adiamento de despesa, corrente e de investimento, tornarão o segundo semestre uma bomba ao retardador”, “as taxas de juro portuguesas (…) deixaram de estar próximas das espanholas e italianas e voltaram à tendência preocupante para delas divergir”.

Passos Coelho finaliza a primeira parte do seu artigo com a seguinte conclusão: “Movido pelo lema de virar a página da austeridade, o novo governo o que virou foi a página da credibilidade e atirou a confiança pela janela fora”.

Na parte final do texto, o social-democrata concentra-se em desmontar o que considera uma “tentativa desesperada de reescrever a história”, imputando aos socialistas a responsabilidade pelas possíveis sanções da comissão europeia pela instabilidade financeira.

O ex-primeiro-ministro nota que “desde cedo apareceu a conversa sobre as medidas adicionais”, porque o governo não conseguiu “convencer a Comissão Europeia nem o Eurogrupo da bondade e da viabilidade das suas intenções”. Acaba a lamentar a possibilidade de Portugal ficar associado “a uma primeira decisão de aplicação de sanções a qualquer país”.

Passos debruça-se ainda sobre a situação da banca. Considera que o governo tratou da “pior maneira a situação do Banif, que acabou por custar demasiado aos bolsos dos contribuintes” e que alimenta “especulações sobre a Caixa Geral de Depósitos e o Novo Banco”.

No último parágrafo do texto, Passos Coelho desmonta ainda o que considera o álibi do governo. “Quando externamente algumas contingências previsíveis se concretizam [como o Brexit], o governo atua como se tudo isso fosse inesperado”.

barra-azul

Se houver sanções a Portugal o povo deve culpar também estes dois homens, na m/opinião.
Irene
barra-azul

António Costa insiste que a aplicação de eventuais sanções a Portugal resulta do défice registado no ano passado e afasta a hipótese de adoptar medidas adicionais de austeridade, alegando que já não corrigirão o resultado de 2015.

Declarações do primeiro-ministro após o discurso na sessão de abertura do encontro “Ciência 2016″, no Centro de Congressos de Lisboa, e que surgem quando o tema das sanções da União Europeia a Portugal e a Espanha, pelo incumprimento do défice relativo a 2015, está na ordem do dia.

Costa repete a ideia de que a execução orçamental de 2016 “está a correr bem” e promete que o Governo se baterá “até ao último minuto” contra a aplicação de sanções a Portugal.

Nada de Planos B ou medidas adicionais

“Manteremos com total serenidade a mesma determinação na execução orçamental de 2016, que, como os números têm revelado, está a correr em linha com aquilo que foi orçamentado, não exigindo nem medidas adicionais nem planos B“, respondeu António Costa.

Autor: sinfoniaesol

A vida deve ser vivida intensamente. Sempre foi esse o meu lema.

1 thought on “Fonte: Visão online”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s