Fonte: Sapo 24

Socialistas estão à beira de uma maioria absoluta. Sem ajuda de PCP e Bloco ultrapassam claramente a soma de PSD e CDS

Passado um ano desde a cerimónia de posse do governo PS, apoiado à esquerda por Bloco, PCP e Verdes, os socialistas conseguem conquistar 43% das intenções de voto na sondagem do Centro de Estudos e Sondagens de Opinião (CESOP) da Universidade Católica.

43% é um valor que, para o PS, significa quase o mesmo que soletrar “maioria absoluta”, ou seja, uma vida governativa a sós e sem ajudas negociadas no Parlamento. Comparando com o último estudo, realizado há quase um ano, em dezembro de 2015 – semanas depois da posse de António Costa como primeiro-ministro -, o PS subiu 9 pontos percentuais (pp) e passou de 34% para uns bem mais confortáve 43%.

O PSD, que há um ano estava coligado com o CDS e perto do sítio onde está agora o PS – a coligação PAF tinha 41% em dezembro do ano passado -, conquista agora 30% dos inquiridos. A liderança de Passos Coelho está assim relativamente próxima de resultados historicamente baixos para os sociais-democratas, como os 29,11% de Manuela Ferreira Leite em 2009, ou os 28,77% de Santana Lopes em 2005 – ano da única maioria absoluta do PS, com José Sócrates.

Socialistas sobem 9 pontos percentuais, enquanto centro-direita perde 5 pp desde dezembro.

O CDP-PP, com a liderança entregue a Assunção Cristas, convence apenas 6% dos inquiridos. Para uma comparação direta com os resultados do último estudo do CESOP, é preciso juntar PSD e CDS, chegar à soma de 30+6=36%, e verificar que o centro-direita perdeu, num ano, 5 pp nas preferências dos inquiridos pela Universidade Católica. Em dezembro de 2015 a PAF convencia 41% dos inquiridos, agora PSD e CDS juntos não passam dos 36%.ç

A esquerda que suporta o governo socialista na Assembleia da República também não chega em bom estado a este primeiro aniversário do governo. O Bloco de Esquerda mantém o título de terceira força política, mas o facto é que perdeu… força, e muito em relação a dezembro de 2015. No último estudo, os bloquistas atingiam os 11% de intenções de voto, e agora ficam-se pelos 8%, uma quebra de 3 pp. O PCP também perde, mas menos. Os comunistas convencem agora 6% do “eleitorado”, estão empatados com o CDS-PP, o que significa uma perda de 1 pp em relação à última sondagem de há um ano.

O PAN, Pessoas – Animais – Natureza, que conquistou um assento na Assembleia da República nas eleições de outubro de 2015, não mexeu um milímetro. Há um ano tinha 2%, agora tem os mesmos 2%.

Este estudo teve trabalho de campo realizado entre 19 e 22 deste mês, na “ressaca” dos dados do INE sobre o crescimento da economia – valores que surpreenderam governo e oposição -, e em pleno debate do Orçamento do Estado na especialidade. Analisando os resultados, é relativamente claro que os 43% do Partido Socialista são construídos sobre perdas à direita e à esquerda, sendo a grande quebra – 5 pp – do centro-direita.

Outro dado relevante deste estudo é o elevado número de indecisos, inquiridos que dizem não saber em quem votariam se estivessem dentro de uma cabina de voto. Ora, a Universidade Católica assume que esse elevado número de indecisos, relativamente natural quando se trata de estudos em alturas sem eleições no horizonte, é um fator que pode prejudicar a estimativa de resultados eleitorais, ou seja a projeção de resultados feita com base nos resultados “em bruto” ou na “intenção”.

Autor: sinfoniaesol

A vida deve ser vivida intensamente. Sempre foi esse o meu lema.

2 thoughts on “Fonte: Sapo 24”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s