Fonte: Sapo 24

A francesa Simone Veil foi uma líder política europeia e ativista dos direitos humanos que sobreviveu ao Holocausto nazi.

Nascida Simone Jacob em 1927, em Nice (sul de França), tinha 17 anos quando, em 1944, foi deportada para o campo de extermínio de Auschwitz, de onde regressou sem a sua mãe. O pai e o irmão desapareceram também na deportação dos judeus pelos nazis. Apenas sobrevivem as suas duas irmãs.

Licenciada em direito, obtém o diploma do Instituto de Estudos Políticos de Paris, onde conhece Antoine Veil, com quem casa, assim como um professor que se torna no seu mentor, Georges Pompidou.

Veil começa a sua carreira na magistratura em 1956 e durante nove anos dedica-se à melhoria das condições de vida dos reclusos.

A par da educação dos três filhos, faz da sua casa um local de tertúlia frequentado por gaulistas e centristas.

Duas vezes ministra da Saúde, primeiro de Jacques Chirac (1974-1976) e depois de Edouard Balladur (1993-1995), destacou-se pela da lei de legalização do aborto de 1975, que leva o seu nome (lei Veil), e pela proibição de fumar em locais públicos.

Eleita três vezes para o Parlamento Europeu (1979, 1984 e 1989), foi a primeira mulher a presidir o organismo. Simone Veil é uma figura da construção europeia, tendo-se destacado pela defesa de uma Europa federal e social.

De origem judaica e sobrevivente do campo de concentração nazi de Auschwitz, Veil foi ainda uma das fundadoras da Fundação da Memória da Shoah (genocídio de judeus pelos nazis, na II Guerra Mundial)), a qual presidiu até 2007.

Figura francesa e europeia de destaque, Simone Veil foi condecorada pelo Presidente da República Mário Soares, em 1993, com a Grã-cruz da Ordem do Infante, em reconhecimento pela amizade e solidariedade que a eurodeputada demonstrou relativamente a Portugal.

Em 2000, no âmbito das celebrações do Dia da Mulher, foi convidada por Jorge Sampaio para falar sobre as “Causas das Mulheres” numa cerimónia no Palácio da Ajuda. Era então membro do Concelho Constitucional francês, a mais alta instância jurídica francesa, encarregada de velar pela regularidade das leis e das eleições. Veil foi nomeada para o cargo em 1998.

Já em 2008, Lisboa acolheu a 13º cerimónia de entrega do Prémio Norte-Sul do Conselho da Europa onde foram distinguidos o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan e a antiga presidente do Parlamento Europeu, Simone Veil. O Prémio Norte-Sul do Conselho é atribuído a duas personalidades, uma do Norte e outra do Sul, que se destacaram na defesa dos direitos humanos e no estreitamento das relações Norte-Sul.