Em todos os Lugares o encontro…

encontro
Sobre o céu
o mar
o teu corpo
em todos os lugares
o encontro
num desejo louco
de o amar…

Deixa que o mar
o molhe
a maresia o perfume
que o vento que sopra nas dunas
o transforme…

Num corpo impudico
desfolhado
sobre o meu leito
nu desejado
delicioso pecado
que sufoca meu peito…

Manuel Marques(Arroz)

(extraído da página do Facebook de
Manuel Marques de Jesus)

seu blogue
http://arrozcomtodos.blogspot.pt/

CEGUEIRA BENDITA
(Florbela Espanca)

Ando perdida nestes sonhos verdes
De ter nascido e não saber quem sou,
Ando ceguinha a tatear paredes
E nem ao menos sei quem me cegou!

Não vejo nada, tudo é morto e vago…
E a minha alma cega, ao abandono
Faz-me lembrar o nenúfar dum lago
´Stendendo as asas brancas cor do sonho…

Ter dentro d´alma na luz de todo o mundo
E não ver nada nesse mar sem fundo,
Poetas meus irmãos, que triste sorte!…

E chamam-nos a nós Iluminados!
Pobres cegos sem culpas, sem pecados,
A sofrer pelos outros té à morte! nince

A dardejar Por Sobre as Pedras – Eufrázio Filipe

marPasso a passo
no desassossego das marés
inconformado
desde o primeiro grito

atravesso por um fio
a distancia que nos aproxima

trespasso
volvidos tantos mares
na presença límpida
de uma flor
este chão de náufragos

passo a passo
pétala a pétala
em pleno voo
a dardejar por sobre as pedras

……………………..//………………

Gosto muito da poesia do Eufrázio Filipe e finalmente enchi-me de coragem
e pedi-lhe permissão para colocar aqui um dos seus poemas, o que de imediato
acedeu.

O seu blogue é:
http://mararavel.blogspot.pt/

DIA MUNDIAL DA POESIA (Não se perdeu nenhuma coisa em mim)

sopia

Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Deixa Flores nas Minhas Mãos…

rosaaaaaa

Quando as tuas mãos geladas deixarem de me afagar na noite
E o silêncio escorrer gota a gota entranhando-se no meu corpo
Desenhando nos umbrais do tempo o meu nome no horizonte
Que o silêncio seja uma valsa triste…eco de um sonho louco

Quando na noite se despe o luar…escuto uma voz a soluçar
É uma rosa negra a entoar docemente uma melodia de amor
Rasgo as sedas do desejo…abraço o meu corpo e fico a sonhar
Tangendo na alma ecos do passado num fado de mágoa e dor

Quando as palavras da minha boca se apagarem e o meu olhar
Se transformar na cinza fria onde bordo docemente a nostalgia
E quando o meu corpo fremente de amor deixar de te procurar
É porque a minha alma se despiu do corpo que foi teu um dia

Quando de violetas perfumar o meu leito e de silêncio o olhar
Deixa que a ausência se deite sobre mim e afague a minha dor
Que enfim me eleve ao céu como se fosse uma estrela a brilhar
E quando o meu coração parar…deixo-te uma lágrima de amor

Quando eu fôr apenas uma flor tombada no chão…dá-me a mão
E guia a minha alma pelos corredores infinitos do esquecimento
E quando a noite cair…vem beber a saudade e brindar à solidão
Na madrugada fria da lonjura…serás o mármore onde me deito

Quando o meu corpo descer à terra e a minha alma subir ao céu
E minha pele se despojar de tudo que a vestiu…acende uma vela
E antes que a bruma eterna desça sobre mim o seu vaporoso véu
Deixa flores nas minhas mãos como se eu ainda fosse primavera

Escrito Por : Rosa Maria

(extraído, com a devidas autorização,

da sua página do Facebook. Sugiro

uma visita ao seu blogue:

http://rosasolidao.blogspot.pt/

LEVANTA-TE DO CHÃO MULHER…de Rosa Maria(madrinha deste blogue)

RosaLEVANTA-TE DO CHÃO MULHER…

Levanta-te do chão mulher…esquece as ilusões da Primavera
Aconchega-te nos braços da noite e esquece o frio que sentes
Abraça esse corpo gelado…no leito onde já ninguém te espera
Nas madrugadas onde desenhas os sorrisos com que mentes

Levanta-te do chão mulher…não grites e nem chores por ti
Afasta-te do abismo que te chama…não bebas esse veneno
Que te serviram em cálice de absinto…veste-te de carmim
E guarda no teu coração aquela menina de olhar sereno

Levanta-te do chão mulher…volta ao ventre que te deu vida
Rompe as amarras que te prendem…voa no céu em liberdade
Aconchega as mágoas nos teus braços nús e encontra a saída
Não deixes que a vida te prenda…que te amordace a vontade

Levanta-te do chão mulher…reacende a chama da paixão
Não guardes as flores murchas que um dia te ofereceram
Faz delas as pétalas com que na noite adormeces a solidão
Prende nas tuas mãos a magia que os teus sonhos teceram

Levanta-te do chão mulher…rasga o silêncio que te sufocou
Entrega o teu corpo ao prazer…solta esse gemido de amor
Que guardaste por dentro da noite e na tua boca agonizou
Morre de amor mais uma vez para renasceres rosa em flor

Levanta-te do chão mulher…faz-te ardente madrugada

Regressa à vida e despede-te das tristes vestes de Outono

Faz da margem das tuas noites…um céu azul de alvorada

E desprende-te dos grilhões  que te amordaçam o sonho

(retirado, com a devida autorização,

da página de Facebook de Rosa Maria)

O POVO UCRANIANO VENCERÁ

UcraniaContra a vontade
dos que ficaram agarrados
às migalhas do leste,
a revolta descalça deu frutos,
mas somente dezenas de mortos depois.

Venceram a verdade
e as sementes ensanguentadas
das plantas que poderão aliviar a fome,
venceu o querer nascer
sem olhar à incerteza de viver.

Venceram os punhais,
já que as flores não mexeram
naquela morte
que os matava entre dois muros.

Vencerá a liberdade,
assim o creio,
mesmo que o povo descalço
ainda não saiba o que o espera.

de Nilson Barcelli

sugiro uma visita ao seu blogue:
http://nilsonbarcellipoesia.blogspot.pt