Que importa o caminho da garrafa que atirei ao mar?

Que importa o gesto que a colheu:

   Que importa a mão que a tocou

      -se foi a criança

      ou o ladrão

      ou o filósofo

quem libertou a sua mensagem

e a leu para si ou para os outros.

 

Que se destrua contra os recifes

   ou role no areal infindável

   ou volte às minhas mãos

na mesma praia erma donde a lancei

 

…se só de atirá-la às ondas vagabundas

    libertei meu destino

    da sua prisão?…

      MANUEL LOPES

 

(cedido pela MALU do blogue:

http://aquinesselugarmesou.blogspot.com

que sugiro visitem.)

Recordar Sara Montiel


Era ainda uma jovem quando ouvi pela primeira vez “A Rapariga das Violetas”
e fiquei “seduzida”…Ainda hoje gosto de ouvir, daí colocar aqui, o vídeo,
e relembrar Sara Montiel.

SER POETA

Ser poeta

é assumir o desassombro

de emprestar o seu ombro

ao fraco contra o forte,

é ser indiferente à sorte

e dialogar com a morte

de igual para igual!…

E, no entanto…

É tão fácil matar a poesia:

Basta um grão de filosofia,

maldita expressão esquiva,

obediência lasciva

à geometria do pensamento!

Afinal,

ser poeta

é ser flor, fruto, semente,

farol que ensina à gente

o rumo, a rota certa.

Sei que amar, sim, é preciso…

Por isso, poeta amigo,

até cortar a meta…

Eu vou navegar contigo!

joaquim evónio

Dia da Poesia e do Nascimento de Johann Sebastian Bach


Johann Sebastian Bach, Eisenach, 21 de março de 1685 – Leipzig 28/07/1750,
foi um compositor, cantor, maestre, professor, cravista, violista e violinista
da Alemanha.Nascido em uma família de longa tradição musical, cedo mostrou possuir talento e logo tornou-se um músico completo. Estudante incansável, adquiriu um vasto conhecimento da música europeia de sua época e das gerações anteriores. Desempenhou vários cargos em cortes e igrejas alemãs, mas suas funções mais destacadas foram a de Kantor da Igreja de São Tomás e Diretor Musical da cidade de Leipzig, onde desenvolveu a parte final e mais importante de sua carreira. Absorvendo inicialmente o grande repertório de música contrapontística germânica como base de seu estilo, recebeu mais tarde a influência italiana e francesa, através das quais sua obra se enriqueceu e transformou, realizando uma síntese original de uma multiplicidade de tendências. Praticou quase todos os gêneros musicais conhecidos em seu tempo, com a notável exceção da ópera, embora suas cantatas maduras revelem bastante influência desta que foi uma das formas mais populares do período Barroco.[1]

Sua habilidade ao órgão e ao cravo foi amplamente reconhecida enquanto viveu e se tornou legendária, sendo considerado o maior virtuose de sua geração e um especialista na construção de órgãos. Também tinha grandes qualidades como maestro, cantor, professor e violinista, mas como compositor seu mérito só recebeu aprovação limitada e nunca foi exatamente popular, ainda que vários críticos que o conheceram o louvassem como grande. A maior parte de sua música caiu no esquecimento após sua morte, mas sua recuperação iniciou no século XIX e desde então seu prestígio não cessou de crescer. Na apreciação contemporânea Bach é tido como o maior nome da música barroca, e muitos o vêem como o maior compositor de todos os tempos, deixando muitas obras que constituem a consumação de seu gênero. Entre suas peças mais conhecidas e importantes estão os Concertos de Brandenburgo, o Cravo Bem-Temperado, as Sonatas e Partitas para violino solo, a Missa em Si Menor, a Tocata e Fuga em Ré Menor, a Paixão segundo São Mateus, a Oferenda Musical, a Arte da Fuga e várias de suas cantatas.[1]

Fonte: http;//pt.wikipedia.org

Este blogue tem dedicado uma atenção especial à POESIA e hoje que é o

Dia Internacional da Poesia, posso garantir que aqui, vai continuar a acontecer

poesia.

Bem-vinda Primavera!!!

PROMESSA DE PRIMAVERA
——————————–
Essa linda magnólia que me encanta
Em todos os invernos, a florir…
Da Criação, sinal de graça tanta,
A nova Primavera a sugerir!

Com as flores rosadas acalanta
E seu doce perfume a espargir.
Não tarda a nortada que se levanta
E a forte chuva qu’ inda vai cair…

Dia a dia, eu a vejo perder
A beleza efémera, saudosa,
Que tão breve irá desaparecer.

Quando soltas, as pétalas voarem,
A nova Primavera radiosa
Será, para os Poetas a cantarem!

Maria da Fonseca

(foto cedida por Juan Escobar Lopez(UIFOTO)

INSTANTE

Que faria eu sem este mundo sem rosto sem questões
Quando o ser só dura um instante onde cada instante
Se deita sobre o vazio dentro do esquecimento de ter sido
Sem esta onda onde por fim
Corpo e sombra juntos se dissipam
Que faria eu sem este silêncio abismo de murmúrios
Arquejando furiosos em direcção ao socorro em direcção ao amor
Sem este céu que se eleva
Sobre o pó dos seus lastros
Que faria eu… eu faria como ontem como hoje
Olhando para a minha janela vendo se não serei o único
A errar e a mudar distante de toda a vida
preso num espaço marionete
Sem voz entre as vozes
Que se fecham comigo.

Samuel Beckett


Abre hoje ao público a Casa de José Saramago em Lanzarote-Espanha

José Saramago nasceu na adeia ribatejana de Azinhaga, concelho de Golegã,
no dia 16 de Novembro de 1922, embora o registo oficial mencione o dia 18. Seus pais emigraram para Lisboa quando ele ainda não perfizera três anos de idade. Toda a sua vida tem decorrido na capital, embora até ao princípio da idade madura tivessem sido numerosas e às vezes prolongadas as suas estadas na aldeia natal. Fez estudos secundários (liceal e técnico) que não pôde continuar por dificuldades económicas.

No seu primeiro emprego foi serralheiro mecânico, tendo depois exercido diversas outras profissões, a saber: desenhador, funcionário da saúde e da previdência social, editor, tradutor, jornalista. Publicou o seu primeiro livro, um romance (“Terra do Pecado”), em 1947, tendo estado depois sem publicar até 1966. Trabalhou durante doze anos numa editora, onde exerceu funções de direcção literária e de produção. Colaborou como crítico literário na Revista “Seara Nova”.

Em 1972 e 1973 fez parte da redacção do Jornal “Diário de Lisboa” onde foi comentador político, tendo também coordenado, durante alguns meses, o suplemento cultural daquele vespertino. Pertenceu à primeira Direcção da Associação Portuguesa de Escritores. Entre Abril e Novembro de 1975 foi director-adjunto do “Diário de Notícias”. Desde 1976 vive exclusivamente do seu trabalho literário.

CONDECORAÇÕES

Comendador da Ordem Militar de Santiago de Espada (Portugal), 1985

Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras Francesas (França), 1991

Congressos ou Participações

Para além das inúmeras intervenções no seu próprio país,
José Saramago participou em congressos ou fez conferências
nos seguintes países e lugares.

Espanha (Madrid, Barcelona, Sevilha, Salamanca, Santiago de Compostela, Ourense, Corunha, Pontevedra, Cáceres, Escorial, Huelva, Granada, Las Palmas, Santa Cruz de Tenerife).
Itália (Roma, Milão, Nápoles, Perúgia, Turim, Pádua,Veneza, Alba, Pisa, Florença, Bolonha, Génova, Catânia).

Suíça (Zurique, Berna).

Alemanha (Berlim, Hamburgo, Colónia, Frankfurt, Munique, Heidelberg, Offenbach, Leverkusen).

Brasil (Rio de Janeiro, S. Paulo, Porto Alegre, Santos, Belo Horizonte e Brasília).

Cuba (La Havana).

Venezuela (Caracas).

México (Cidade do México, Morélia).

Argentina (Buenos Aires).

Suécia (Estocolmo).

EUA (Washington, Santa Bárbara).

Moçambique (Maputo).

Cabo Verde (Cidade da Praia, Mindelo).

Hungria (Budapeste).

Andorra (Andorra la Vieja).

LIVROS TRADUZIDOS

A Bagagen do Viajante
Espanha
O Ano de 1993

Itália
Objecto Quase

França
Levantado do Chão

Alemanha, Brasil, Bulgária, Checoslováquia (checo e eslovaco), Colômbia, Dinamarca, Espanha (Castelhano e Catalão), EUA do Norte, Finlândia, França, Grã-Bretanha, Grécia, Hungria, Israel, Itália, Japão, México, Noruega, Países Baixos, Polónia, Roménia, Rússia, Suécia, Suíça, Turquia.
O Ano da Morte de Ricardo Reis

Alemanha, Brasil, Dinamarca, Espanha, EUA do Norte, França, Grã-Bretanha, Grécia, Hungria e Itália.
A Jangada de Pedra

Alemanha, Brasil, Dinamarca, Espanha, EUA do Norte, França, Grã-Bretanha, Hungria, Israel, Itália, Noruega e Roménia.
A Segunda Vida de Francisco de Assis

Itália
História do Cerco de Lisboa

Alemanha, Argentina, Brasil, Colômbia, Espanha (castelhano e catalão), Itália, França, México e Suécia.
Viagem a Portugal

Espanha
O Evangelho Segundo Jesus Cristo

Alemanha, Argentina, Brasil, Colômbia, Dinamarca, Espanha, Grã-Bretanha, Israel, Itália, Noruega, Países Baixos, Polónia, Suécia.
In Nomine Dei

Brasil, Espanha.

Fonte:http://www.caleida.pt



A abertura da sua casa em Lanzarote, hoje, segundo sua filha, está praticamente
igual.As pessoas podem ve o seu quarto, mas apenas da porta.

Fevereiro a Florir

 

Que te pareces comigo,
Árvore do meu jardim,
Já eu tinha percebido,
Uma irmã igual a mim.

Mas agora foi demais,
Ver tuas mimosas flores
Nos ramos secos e nus,
A atrair admiradores!

Lesta corri para casa
Em busca do calendário.
Estamos no último dia
Deste Fev’reiro tão vário.

Peguei depois na caneta
E rabisquei no papel
Estes tão singelos versos
De rima sóbria, fiel.

Porque os q’ria escrever hoje,
Antes de tu, abrunheiro,
Te enfeitares de brancas flores,
Foi desejo verdadeiro.

Modestas as redondilhas,
Flores artificiais,
Não se comparam às tuas,
Formosas e naturais.

Imploro ao Senhor Meu Deus
Para te rever assim.
Sei que me vais encantar
Bela árvore do jardim!

(Maria da Fonseca)

 

 

(do blogue:
http://poesiadanatureza.blogspot.com
que sugiro visitem)