Cleópatra em Teto de Zinco Quente

Uma das maiores divas do cinema em todos os tempos viu ontem fecharem-se
as cortinas.O filme acabou, mas não foi um fim triste. Elizabeth Taylor morreu. Uma das mais corajosas atrizes de que ouvi falar e, ao mesmo tempo, uma estrela que começou a brilhar muito cedo e que nem a morte irá apagar.

Não faz muito tempo cogitou-se de fazer um filme sobre sua vida com Richard Burton e dois outros ícones das telas disputavam o papel e Elizabeth não autorizou as filmagens e ainda disse que “ninguém pode ser Elizabeth Taylor”

Além dos oito casamentos e de muitos diamantes, Elizabeth Taylor casou-se com a vida. Teve amigos aos quais sempre se dedicou, de verdade, nunca os deixando desamparados.

Quando Rock Hudson declarou estar com AIDS, coisa que ela já sabia devido a grande amizade que os unia, Elizabeth Taylor tornou-se uma ativista criando uma fundação de pesquisa e ajuda aos pacientes aidéticos.

Ela ganhou duas estatuetas do Oscar de melhor atriz e poderia ter sido mais.

Quem viu Liz Taylor atuando nunca irá se esquecer de suas magníficas interpretações. Não assisti aos seus 60 filmes, vi apenas 11 deles e tenho certeza de foram os melhores. Alguns lhe deram indicações para o Oscar e dois lhe deram a estatueta.

O mais polêmico de seus filmes foi Cleópatra. Corrigindo-se os valores de produção, trata-se do filme mais caro de toda a história. Foi, também, um recorde de público, mas também um grande prejuízo financeiro para o estúdio. Liz foi a primeira estrela a receber um cachê de 1 milhão de dólares para fazer um filme, uma verdadeira fortuna na época.

Sua vida artística não foi fácil, entretanto, pois Liz teve diversos problemas de saúde que a obrigaram a recusar um ou outro papel. Mais tarde, internou-se para se livrar do álcool.

Esta extraordinária mulher abriu caminho para muita gente. Sabia que era uma grande estrela e interpretou muito bem este papel. Normalmente, uma estrela da grandeza de Liz tem poucos amigos. Liz não, ela cultivou as amizades durante sua vida.

Liz foi uma das mulheres mais bonitas do cinema em todos os tempos, mas seus olhos, ah meu Deus, como eram belos. Quando eu a via nas telas, não olhava para seu corpo, nem para seus seios ou mesmo suas pernas. A primeira visão recaía sobre seus olhos cor de violeta.

É pena que ela tenha partido embora estivesse sofrendo do coração já há algum tempo.

Ela amou bastante e foi muito amada, talvez nem tanto pelos seus maridos, mas por todo seu público, onde me incluo.

A morte chegou para ela e é assim que caminha a humanidade. Já houve atrizes que fizeram muito sucesso, mas nunca conseguiram se livrar da personagem. Com Elizabeth Taylor não aconteceu isso. Atriz de verdade, de grande talento era sempre diferente em cada filme que participou.

Contracenou com grandes monstros sagrados do cinema como Montgomery Clift, Rock Hudson, Richard Burton, Paul Newman e amou todos eles e por eles foi amada.

Até breve Liz!

Ivan Jubert Guimarães

do blogue: http://pensamentoliberal.blog.uol.com.br

que sugiro visitem.

Que importa o caminho da garrafa que atirei ao mar?

Que importa o gesto que a colheu:

   Que importa a mão que a tocou

      -se foi a criança

      ou o ladrão

      ou o filósofo

quem libertou a sua mensagem

e a leu para si ou para os outros.

 

Que se destrua contra os recifes

   ou role no areal infindável

   ou volte às minhas mãos

na mesma praia erma donde a lancei

 

…se só de atirá-la às ondas vagabundas

    libertei meu destino

    da sua prisão?…

      MANUEL LOPES

 

(cedido pela MALU do blogue:

http://aquinesselugarmesou.blogspot.com

que sugiro visitem.)

Recordar Sara Montiel


Era ainda uma jovem quando ouvi pela primeira vez “A Rapariga das Violetas”
e fiquei “seduzida”…Ainda hoje gosto de ouvir, daí colocar aqui, o vídeo,
e relembrar Sara Montiel.

SER POETA

Ser poeta

é assumir o desassombro

de emprestar o seu ombro

ao fraco contra o forte,

é ser indiferente à sorte

e dialogar com a morte

de igual para igual!…

E, no entanto…

É tão fácil matar a poesia:

Basta um grão de filosofia,

maldita expressão esquiva,

obediência lasciva

à geometria do pensamento!

Afinal,

ser poeta

é ser flor, fruto, semente,

farol que ensina à gente

o rumo, a rota certa.

Sei que amar, sim, é preciso…

Por isso, poeta amigo,

até cortar a meta…

Eu vou navegar contigo!

joaquim evónio

Dia da Poesia e do Nascimento de Johann Sebastian Bach


Johann Sebastian Bach, Eisenach, 21 de março de 1685 – Leipzig 28/07/1750,
foi um compositor, cantor, maestre, professor, cravista, violista e violinista
da Alemanha.Nascido em uma família de longa tradição musical, cedo mostrou possuir talento e logo tornou-se um músico completo. Estudante incansável, adquiriu um vasto conhecimento da música europeia de sua época e das gerações anteriores. Desempenhou vários cargos em cortes e igrejas alemãs, mas suas funções mais destacadas foram a de Kantor da Igreja de São Tomás e Diretor Musical da cidade de Leipzig, onde desenvolveu a parte final e mais importante de sua carreira. Absorvendo inicialmente o grande repertório de música contrapontística germânica como base de seu estilo, recebeu mais tarde a influência italiana e francesa, através das quais sua obra se enriqueceu e transformou, realizando uma síntese original de uma multiplicidade de tendências. Praticou quase todos os gêneros musicais conhecidos em seu tempo, com a notável exceção da ópera, embora suas cantatas maduras revelem bastante influência desta que foi uma das formas mais populares do período Barroco.[1]

Sua habilidade ao órgão e ao cravo foi amplamente reconhecida enquanto viveu e se tornou legendária, sendo considerado o maior virtuose de sua geração e um especialista na construção de órgãos. Também tinha grandes qualidades como maestro, cantor, professor e violinista, mas como compositor seu mérito só recebeu aprovação limitada e nunca foi exatamente popular, ainda que vários críticos que o conheceram o louvassem como grande. A maior parte de sua música caiu no esquecimento após sua morte, mas sua recuperação iniciou no século XIX e desde então seu prestígio não cessou de crescer. Na apreciação contemporânea Bach é tido como o maior nome da música barroca, e muitos o vêem como o maior compositor de todos os tempos, deixando muitas obras que constituem a consumação de seu gênero. Entre suas peças mais conhecidas e importantes estão os Concertos de Brandenburgo, o Cravo Bem-Temperado, as Sonatas e Partitas para violino solo, a Missa em Si Menor, a Tocata e Fuga em Ré Menor, a Paixão segundo São Mateus, a Oferenda Musical, a Arte da Fuga e várias de suas cantatas.[1]

Fonte: http;//pt.wikipedia.org

Este blogue tem dedicado uma atenção especial à POESIA e hoje que é o

Dia Internacional da Poesia, posso garantir que aqui, vai continuar a acontecer

poesia.

Este blogue acaba de ultrapassar as MIL VISITAS

Este blogue foi criado a 09-Janeiro-2011 e o contador de visitas iniciou a 0.
Hoje 21 de Março, atingiu as 1.004 visitas(até ao momento) e aqui só contam
efetivamente quem visita o blogue, não (do próprio blogue) pelo que, tenho
que estar muito feliz e agradecida a quem aqui tem vindo e prometo fazer
por merecer essa continuidade.
Beijnhos a todos
Irene Alves

 



PRISIONEIROS DA PAIXÃO

Se não pode me dar seu coração
tudo bem, não tem problema
deixe-me apenas dominá-lo por algumas horas
relaxe, se entregue e nada tema;

Vou invadi-lo por breves momentos
Preenchê-lo com uma enxurrada de sentimentos
cercando você de beijos e carinhos,
percorrendo todos os seus misteriosos caminhos.

Como se fosse uma vasta terra
a tombarei e prepararei para o plantio
e cuidarei sempre dessa feita
para garantir uma boa colheita.

Feito um guerreiro audaz
seqüestrarei seus pensamentos mais secretos
ocuparei todos seus espaços
com ataques sutis e indiscretos.

Como um pirata, bandido do mar
invadirei e pilharei sua embarcação
e dela levarei seu maior tesouro
serei dono absoluto do seu coração.

Como uma águia sobrevoarei seus montes
e quando estiver entregue e indefesa
darei um mergulho rápido e fatal
farei de você minha presa.

E presa a mim não desejará se libertar
nem esboçará a menor força para escapar
pois, nesse momento, descobriremos juntos
as mais belas maneiras de amar.

Sucumbiremos em meio a sussurros e delírios
entregues aos prazeres da tentação
seremos um em carne e espírito,
prisioneiros eternos da doce paixão.
© Valter Montani
(Revisão de texto: Regina Azevedo)

(cedido pelo blogue
http://valterpoeta.blogspot.com

que sugiro visitem.)

Bem-vinda Primavera!!!

PROMESSA DE PRIMAVERA
——————————–
Essa linda magnólia que me encanta
Em todos os invernos, a florir…
Da Criação, sinal de graça tanta,
A nova Primavera a sugerir!

Com as flores rosadas acalanta
E seu doce perfume a espargir.
Não tarda a nortada que se levanta
E a forte chuva qu’ inda vai cair…

Dia a dia, eu a vejo perder
A beleza efémera, saudosa,
Que tão breve irá desaparecer.

Quando soltas, as pétalas voarem,
A nova Primavera radiosa
Será, para os Poetas a cantarem!

Maria da Fonseca

(foto cedida por Juan Escobar Lopez(UIFOTO)

INSTANTE

Que faria eu sem este mundo sem rosto sem questões
Quando o ser só dura um instante onde cada instante
Se deita sobre o vazio dentro do esquecimento de ter sido
Sem esta onda onde por fim
Corpo e sombra juntos se dissipam
Que faria eu sem este silêncio abismo de murmúrios
Arquejando furiosos em direcção ao socorro em direcção ao amor
Sem este céu que se eleva
Sobre o pó dos seus lastros
Que faria eu… eu faria como ontem como hoje
Olhando para a minha janela vendo se não serei o único
A errar e a mudar distante de toda a vida
preso num espaço marionete
Sem voz entre as vozes
Que se fecham comigo.

Samuel Beckett