Ainda Brinco de Boneca

As vezes sou uma mulher sapeca
Outras vezes sou uma menina que ainda tem boneca
Impedir uma mulher de amar
É como proibir uma criança de brincar
Não gosto quando me comparam com um anjo no céu
Desconheço um anjo com o nome de Raquel
A força da natureza move os moinhos de vento
Mas dentro de cada um de nós
É a franqueza que move nossos sentimentos
Mais do que crescer
Eu desejo aprender a saber viver
Dizem que estou errada
Que eu sonho demais
Imagina se soubessem que ainda tem bonecas
A moça de Batatais
Provavelmente zombariam
Querem minha presença, mas não minha companhia
Na visão deles
Sou nova demais pra chorar
E adulta demais pra sonhar
Minha alma nessa caminhada é uma aprendiz
Não quero chegar diante de Deus
E dizer que eu não fui feliz
Ler e escrever para mim
Não é pregar no deserto
Amigo é quem gosta de mim
Esteja longe ou perto
Hoje sou uma menina, amanhã serei um mulherão
Tanto faz, o importante é que as duas
Tenham sob o seio um bom coração
Que entendam Einstein como ninguém
Tenham dentro de si o bem e o mal, isso é normal
Mas que nunca se contentem apenas com a palavra igual
A quem possa interessar
Sou uma mulher que brinca de boneca e não desiste de sonhar
Sou uma menina sapeca que nasceu para amar…

Raquel Cinderela as Avessas

Imensidão de si mesmo – Fonte:Obvious

Há muito tempo eu não escrevia

Abarrotada pela correria

Que a mim e a ti consumia

Mas acordei cedo em um belo dia

E o rei sol a nascer me dizia

Que, assim, surgiria esta poesia

A pureza, inocência, ingenuidade

Já não têm mais valor nessa cidade

Como os índios tiveram arrancada sua castidade

Também nós perdemos a vivacidade

E tudo isso, por quê? Mera vaidade

Que nos aprisiona e desumana sem piedade

Tudo isso em prol de poder

Um aliado maligno que todos queremos ter

O dinheiro, fez de nós seu capataz

E não tem fim: é sempre mais e mais e mais

Um pedaço de papel confundido com o paraíso

Em troca do brilho e do sorriso

Aonde foi parar aquela beleza?

Ao mesmo tempo refletida e oriunda da pureza

Das crianças, dos nascidos com riqueza

As quais perdemos com destreza

Cabe aqui falar da natureza

Que foi um dia nada menos que realeza

E eu gostaria de prolongar o que termina com -dade

Pra falar um pouco da minha saudade

Aquela, de viver sem profanos na autoridade

Manipulando com muita agilidade

Sendo vítimas de sua maldade

Que nos afasta uns dos outros, na verdade

Veja seu whatsapp, as conversas que lá estão

Escolha uma delas com o coração

Surpreenda seu amigo com a antiga emoção

De ir hoje mesmo lhe dar um abração

E lhe oferecer, de verdade, um pouco de atenção

Não se deixe render, a amizade não pode ser em vão

Porque a vida, amigo, passa

Num brevíssimo piscar de olhos

Restam arrependimentos e lamentos

Mas nunca, sem hipóteses, a chance de voltar atrás

E, quando se dá conta, você já caiu

Sim, o tempo já te iludiu

Aqui, quase nada rimou

Acho que minha mente novamente se esgotou

É hora de acordar, ela percebeu

Voltar a correr, a trabalhar

Se tornar a máquina que aqui cresceu

E, com esta percepção, meu coração doeu

Mas, amigos, vou voltar só um pouco a rimar

Porque sei que aqui também restou o amar

Então, uma mensagem quero deixar

Vamos viver, lutar e apreciar

A beleza que os olhos são capazes de enxergar

E, para, então, finalizar

Não desista! Você está aqui para mudar.

Solidão não é a falta de gente para conversar, namorar, passear ou fazer sexo…..
isto é carência.
Solidão não é o sentimento que experimentamos pela ausência de entes queridos
que não podem mais voltar….. isto é saudade.
Solidão não é o retiro voluntário que a gente se impõe, às vezes, para realinhar
os pensamentos…..isto é equilíbrio.
Solidão não é o claustro involuntário que o destino nos impõe compulsivamente
para que revejamos a nossa vida…..isto é um princípio da natureza.
Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado….. isto é circunstância.
Solidão é muito mais do que isto.
Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela nossa
alma …..
Francisco Buarque de Holanda
7676

Da minha amiga brasileira cuja poesia eu gosto muito.

ENTALHES DO DESEJO
por Sandra Gonçalves

Desenha-me, faça -me sua pintura,
Desliza sobre mim toda tua ternura!
Pinta-me em um quadro mulher…
Inspiro-te da forma que lhe convier.
Desenha-me, em teus delírios vorazes!
Faça de sua tela meu pequeno oásis.
Pode me esculpir em detalhes.
Um corpo tão cheio de entalhes!
Esculpa-me, com seus olhos famintos,
Quero uma pintura com cheiro de absinto.
Contornos de um corpo em malícias
Pinceladas delicadas de caricias!
Quero meus detalhes em suas mãos,
Vorazes mãos de um amante sedutor.
Risque meus traços com desejo!
E Termine sua obra com um ténue beijo.
Absorva-me em sua sensual obra,
Uma arte que em suspiros se desdobra!
Esculpa-me em barro quente.
E desenhe esse ser ardente!
Respire… mas suas mãos da tela não retire!
Mesmo que a brasa ardente da pintura,
Lhe cause na alma e no corpo ruptura.
Respire e me olhe, deixe que eu lhe inspire!
Venda-me os olhos para que eu não veja,
A arte sensual que pintas e desejas!
Enlaça-me, em sedas , cetins e linho.
Faça deste quadro,nosso ardente ninho!
Jogada ao chão de seus desejos,
Ansiosa por seu toques e beijos!
Quero você a me esculpir, a me desenhar…
Neste quadro onde somente o desejo cabe entrar!
Esculpa-me, desenha-me, ama-me… Apenas com o olhar!

Ver Mais

 sandra

PÔR DO SOL

Pela flora verdejante e densa caminhei

Pelas margens de rios semeei pensamentos

ErguDei os meus braços ao sabor dos ventos

Nas ondas de marés agitados mergulhei

Descansei sobre areias finas e douradas

Que comigo falavam quebrando solidões

Os meus desejos estavam presos por grilhões

As minhas angústias de anos estavam privadas

Que mil sóis me deem força para lutar

Que o meu corpo continue a caminhar

Até ver uma luz lá ao fundo, meu farol

Caí o dia no mais belo entardecer

O horizonte diz-me que não quero morrer

Sem antes ver contigo mais um pôr-do-sol

Ângelo Gomes – 28-02-2016 – 19h58

VIBRAÇÃO DE FÉ – Célia Laborne Tavares

Busco tua alma em essência e pureza

e hei de vê-la branca na manhã de ouro

porque a sei escrava da luz e da beleza

retida em trevas como um vão tesouro.

Sonho teu corpo em vibrações de mar,

hei de encontrá-lo sobre a praia eterna,

porque sereias velam o teu andar

e a virgem das águas o teu ser governa.

Espero tua chegada junto à fonte
e hás-de vir a mim. eterno ausente.
como estrela plena em busca do horizonte,
porque germina em mim a fé crescente.400245_s

TUA VINDA

Célia Laborne Tavares

Quando os anjos povoam as noites

e a lua os veste

e o vento os beija

a poesia te rouba aos destinos

e te traz para mim

Quando os lagos abandonam os reflexos

e as águas dormem

no silêncio das estrelas,

a poesia te entrega ao meu capricho.

Eu te construo um altar

cumu-lo-a de presentes

e a enfeito de luz

para que a cada dia

renove a tua vindaceu