Importante discurso de Alexanda Lucas Coelho ao receber o prémio APE pelo seu romance E A NOITE RODA

lycas coelholivro de alex.Quero agradecer em primeiro lugar à equipa da Tinta da China, minha casa, Bárbara Bulhosa, Inês Hugon, Vera Tavares, Madalena Alfaia, Rute Dias, Pedro Serpa.

Agradeço em seguida ao júri que atribuiu este prémio: Manuel Gusmão, Luís Mourão, Clara Rocha, Ana Marques Gastão e Isabel Cristina Rodrigues, a quem coube hoje ser porta-voz, com uma apresentação cuidada e surpreendente de E a Noite Roda. Não conheço pessoalmente a maioria dos jurados. Ter-me- -ei cruzado um par de vezes com Ana Marques Gastão e entrevistei há uns 13 anos Manuel Gusmão. Sendo uma honra a decisão deste júri, a presença nele de um poeta que tanto admiro, e trago comigo, é uma alegria. Isto, para usar a palavra que mais associo a Manuel Gusmão, num daqueles versos que se tornam língua geral, lugar-comum a todos, contra todas as evidências em contrário.

Não chega dizer que foi uma surpresa a atribuição do prémio. Começou por ser uma grande surpresa a nomeação, que aconteceu pouco depois de outra: para o prémio do PEN. E a Noite Roda não tinha sido dos meus livros mais bem recebidos pela crítica, nem mais vendidos. Passara um ano e meio sobre a publicação, já nem se encontrava nas livrarias. Eu estava ocupada com a saída de um novo livro, Vai Brasil, e a organizar-me para retomar a escrita de um novo romance, situado no Rio de Janeiro. Se a nomeação para o PEN já me espantara, a do APE pareceu-me quase inverosímil. Para mais, o naipe de finalistas era não menos que excelente: um dos grandes prosadores da língua portuguesa, Mário de Carvalho; dois autores próximos da minha geração que sigo com respeito, Patrícia Portela e Afonso Cruz; e um poeta, dramaturgo e novelista que é dos meus mais queridos amigos, Jaime Rocha. Fico muito contente por ele estar aqui hoje. Fosse eu a decidir, o prémio seria dele, e da sua novela A Rapariga sem Carne. Foi isso que senti ao saber da nomeação.

Semanas depois, estava eu sentada no carro da minha editora, Bárbara Bulhosa, quando me ligam da APE a anunciar a decisão do júri. Pânico, seguido de alerta: está a brincar comigo, certo?, perguntei ao cavalheiro do outro lado da linha, que se apresentara como José Correia Tavares, presidente do júri sem direito a voto. Ele assegurava que não e dava detalhes, que o júri se reunira três vezes, que a decisão fora por unanimidade, e por aí fora até que eu já não estava a ouvir, porque só pensava que aquilo não podia ser a sério. E nos momentos em que acreditava que era, voltava o pânico: aquilo não me podia estar a acontecer. Como assim o prémio APE para este romance: um primeiro romance e este romance?

Antes que eu começasse a explicar ao interlocutor que estava enganado, a Bárbara decidiu intervir, dando-me ordens em surdina: que aceitasse, que agradecesse, muito obrigada. E subimos para um consultório, que era ao que íamos, acabando com a paz da recepcionista, porta-dentro, porta-fora, mal começaram os telefonemas.

Ninguém ainda se tornou dono do que é, ou não chega a ser, um romance, e é por isso que continua a ser interessante fazer romances, e que cada um faça o seu

Recentemente, a Tinta da China fez uma edição de bolso de E a Noite Roda, de que gosto mais do que a primeira, como objecto. Gosto do tamanho, dos cantos redondos, da capa mole. É maneira, como dizem os brasileiros. Mas nem a folheei, custa-me olhar para o texto. Na Tinta da China, a Inês Hugon e a Madalena Alfaia, que com uma paciência oriental asseguram as revisões, sabem como por mim ficava a cortar provas até à décima, porque mal entrego o livro já não o posso ver, tudo me parece mal, as bengalas, os tiques, o excesso.

Sendo a minha primeira experiência de romance, sinto essa distância de hoje em relação ao texto de E a Noite Roda mais do que em relação a qualquer outro livro meu, talvez porque nos outros a linguagem esteja mais estabilizada num território com regras.

O que me interessa no romance não é o género, mas a ausência de género. Não é poesia e pode ser poesia, não é reportagem e pode ser reportagem, não é viagem e pode ser viagem, não é teatro, cinema, música, arquitectura, agricultura, cosmogonia, correspondência, folhetim, banda desenhada, arquivo, e pode ser tudo isso. Um romance é a liberdade em extensão. Um território de experimentação com um fôlego considerável, que ninguém conseguiu ainda circunscrever além disto: prosa, criativa, de extensão longa, escrita para ser lida.

Uso a palavra romance, não uso a palavra ficção. Tenho dito e repetido — porque a um jornalista que escreva romances pergunta-se isso continuamente — que o que distingue o jornalismo e a literatura não é um ser real e a outra ficção, mas sim um ser um campo sujeito a regras estabelecidas e a outra, idealmente, inventar as suas próprias regras.

Por isso, interessa-me pouco o debate sobre o que neste romance ainda é jornalismo ou já é romance, ainda é real ou já é ficção, como se houvesse uma espécie de grau de pureza, que é sempre o princípio de um pensamento autoritário. Ninguém ainda se tornou dono do que é, ou não chega a ser, um romance, e é por isso que continua a ser interessante fazer romances, e que cada um faça o seu. Na verdade, neste campo, quanto à criação, não há outro lema em que me reconheça tanto: que cada um faça a sua coisa. Faça o que tem a fazer, contra tudo, contra todos: crime e castigo, doença e cura, transmigração da alma ou biografia derradeira.

O que me levou a fazer este romance? O que o distinguia dos livros anteriores? A possibilidade de um território sem regras para o qual eu transportasse vários materiais biográficos: amorosos, políticos, sociais, profissionais. O texto agora entregue a si mesmo, inventando as suas regras, é que estabeleceria a transição para o romance. Um não-género fazendo uso de vários géneros, incluindo a reportagem.

Jerusalém era uma coisa minha, Gaza era uma coisa minha, a experiência de cobrir o conflito israelo-palestiniano era uma coisa minha, eu queria transportá-los para o campo literário porque me interessa transportar para o campo literário tudo o que a experiência tenha tornado coisa minha. Dito de outra forma, aquilo que é a identidade em movimento.

Não é diferente do que fará um médico que escreva romances (ou um arquitecto, um historiador de arte, um diplomata, um advogado, um professor, um burocrata), sempre com menos explicações do que as que são cobradas a um jornalista. Nunca começarei a entender porque se estranha que alguém cujo trabalho é escrever decida escrever outras coisas.

E a Noite Roda não é sequer o melhor romance que eu podia ter escrito entre 2010 e 2011, os meus últimos meses em Portugal e o meu primeiro ano no Brasil. Não foi, certamente, o que muita gente achava que eu devia ter feito. É apenas o que eu precisava de fazer naquele momento para sair do ponto em que estava. O importante não será fazer o melhor que sabemos, mas o que precisamos de fazer, mesmo não sabendo, para sair do nosso limite. Aquilo que nos desloca se estamos fixos, que nos fixa se estamos deslocados.

Recentemente, numa entrevista, perguntaram-me quem gostaria eu que escrevesse a minha biografia. É uma daquelas perguntas a que só podemos responder desabridamente. Respondi que esperava que as personagens tratassem do assunto e não sobrasse nada. Penso nisso como uma espécie de teia de Penélope em que o autor se vai construindo nos livros, ao mesmo tempo que desaparece na vida.

Tudo o que faço é biografia, idealmente cada vez mais real, independentemente de as personagens tomarem as minhas circunstâncias, como acontece em E a Noite Roda, ou não tomarem de todo, como acontece no romance que estou a escrever. Ninguém pergunta a um poeta se o que está no poema é real ou ficção. Aquilo é o que é, é dentro da cabeça dele.

O que cada um vive é seu património inalienável, seu único real património, e é seu direito fazer disso o que quiser, na intersecção com os outros e o mundo, tendo como único limite, para mim, não devassar o património de um outro, de forma reconhecível publicamente.

De resto, o criador não deve conhecer limites e quanto mais escuro, mais difícil e mais indevassado melhor. Aquilo que não se pode escrever é o que há a escrever, é o que falta. Não estamos cá para nos repetirmos nem para nos pouparmos. Pouparmo-nos para quê? Não acredito na vida além da vida.

Sempre quis escrever, desde que me lembro. Os livros tinham todas as vidas. Passei a adolescência a ler romances. Lia os portugueses, os franceses, os ingleses, os russos, os alemães, mais tarde os americanos, os japoneses, os levantinos. O mundo não acabava, eu lia e queria sair pelo mundo. O jornalismo era a possibilidade disso, uma bela possibilidade quando eu tinha 17 anos e as rádios piratas explodiam, ainda nem havia TSF, nem PÚBLICO, nem telemóveis, nem computadores pessoais. A minha geração viveu essa promessa de aventura no trabalho, que hoje parece arqueológica.

Só fui ler poesia compulsivamente depois dos 20. E a poesia, como a rádio, mudou, moldou a minha relação com a escrita. Questão de som, de ritmo, mas também de montagem, de elipse. Não que escrever poemas fosse a minha coisa, tentei, não era. Ler poemas, sim, seria parte do que eu tinha para escrever.

Sempre achei que seria uma questão de tempo começar a fazer livros, e acabei por publicar o primeiro aos 39 anos. Como seria uma questão de tempo o romance chegar. Não há abandono de uma coisa por outra, não deixei de ter na cabeça livros de viagem, reportagem ou crónica, entre os vários romances que quero fazer. É o jardim dos caminhos que se bifurcam, para citar um daqueles autores que sempre admirei à distância, porque Borges é de outra galáxia, de um mundo, digamos, não-carnal. Sou mais do lado Moby Dick, até ao trespassar da última carne, a do caçador. Moby Dick agora sem género, ou transgénero. Moby Dick-Orlando, homem e mulher, humano e animal, deus e demónio. Um Moby Dick antropofágico, depois de ter morado no Brasil.

Não me interessa a fuga, interessa-me o confronto, o embate, o arpão no corpo que sempre fugirá. Chamemos-lhe Moby Dick – ou amor – ou real. A vida verdadeira que é estar aqui a desejar além. A pulsão da guerra, qualquer espécie de guerra, é a sobrevida: vida conquistada à morte.

Nenhuma arte é panfleto, se é panfleto, não era arte. Ao mesmo tempo, toda a arte é política, no sentido em que não existe sem um outro, que pode ser apenas um. O determinante não é que sejam muitos, mas que exista uma relação. Que algo actue entre um e outro.

Este livro é político, como todos os que fiz, como tudo o que faço, pelo simples facto de me pôr em relação com outros. Estar aqui hoje é político, falar em público é político. Onde há um colectivo há política.

O meu feitio seria mais não estar, mas encaro isto como parte de um trabalho que aceitei fazer desde que comecei a publicar, por acreditar que podia, devia, contribuir para os livros chegarem a mais alguém, respeitando eu tanto quem se recusa a fazer isso como quem o faz, por razões que são de cada um e de mais ninguém.

A minha opção é política, digamos. Uma forma de participação, de agir além da militância partidária. A militância não é a minha coisa, ainda bem que é a coisa de pessoas que admiro, entre as quais conto amigos. A minha coisa é escrever, falar dos livros, conseguir fazer disso uma acção.

Estou a voltar de três anos e meio a morar no Brasil. Um dia, a meio dessa estadia brasileira, pediram-me que gravasse um excerto de um conto de Clarice Lispector para o site do Instituto Moreira Salles. Era um conto em que a protagonista era portuguesa, daí o pedido, que a voz coincidisse com o sotaque. Como detestei aquela portuguesa do conto da Clarice. Tudo na boca dela era inho e ito. Era o Portugal dos Pequenitos com a nostalgia das grandezas. Aquele que diz “cá vamos andando com a cabeça entre as orelhas”, mas sofre de ressentimento. O Portugal que durante 40 anos Salazar achou que era seu, pobre mas honesto-limpo-obediente, como agora o Governo no poder quer Portugal, porque acha que Portugal é seu.

Estou a voltar a Portugal 40 anos depois do 25 de Abril, do fim da guerra infame, do ridículo império. Já é mau um governo achar que o país é seu, quanto mais que os países dos outros são seus. Todos os impérios são ridículos na medida em que a ilusão de dominar outro é sempre ridícula, antes de se tornar progressivamente criminosa.

Entre as razões por que quis morar no Brasil houve isso: querer experimentar a herança do colonialismo português depois de ter passado tantos anos a cobrir as heranças do colonialismo dos outros, otomanos, ingleses, franceses, espanhóis ou russos.

E volto para morar no Alentejo, com a alegria de daqui a nada serem os 40 anos da mais bela revolução do meu século XX, e de o Alentejo ter sido uma espécie de terra em transe dessa revolução, impossível como todas.

Este prémio é tradicionalmente entregue pelo Presidente da República, cargo agora ocupado por um político, Cavaco Silva, que há 30 anos representa tudo o que associo mais ao salazarismo do que ao 25 de Abril, a começar por essa vil tristeza dos obedientes que dentro de si recalcam um império perdido.

E fogem ao cara-cara, mantêm-se pela calada. Nada estranho, pois, que este Presidente se faça representar na entrega de um prémio literário. Este mundo não é do seu reino. Estamos no mesmo país, mas o meu país não é o seu país. No país que tenho na cabeça não se anda com a cabeça entre as orelhas, “e cá vamos indo, se deus quiser”.

Não sou crente, portanto acho que depende de nós mais do que irmos indo, sempre acima das nossas possibilidades para o tecto ficar mais alto em vez de mais baixo. Para claustrofobia já nos basta estarmos vivos, sermos seres para a morte, que somos, que somos.

Partimos então do zero, sabendo que chegaremos a zero, e pelo meio tudo é ganho, porque só a perda é certa.

O meu país não é do orgulhosamente só. Não sei o que seja amar a pátria. Sei que amar Portugal é voltar do mundo e descer ao Alentejo, com o prazer de poder estar ali porque se quer. Amar Portugal é estar em Portugal porque se quer. Poder estar em Portugal apesar de o Governo nos mandar embora. Contrariar quem nos manda embora como se fosse senhor da casa.

Eu gostava de dizer ao actual Presidente da República, aqui representado hoje, que este país não é seu, nem do Governo do seu partido. É do arquitecto Álvaro Siza, do cientista Sobrinho Simões, do ensaísta Eugénio Lisboa, de todas as vozes que me foram chegando, ao longo destes anos no Brasil, dando conta do pesadelo que o Governo de Portugal se tornou: Siza dizendo que há a sensação de viver de novo em ditadura, Sobrinho Simões dizendo que este Governo rebentou com tudo o que fora construído na investigação, Eugénio Lisboa, aos 82 anos, falando da “total anestesia das antenas sociais ou simplesmente humanas, que caracterizam aqueles grandes políticos e estadistas que a História não confina a míseras notas de pé de página”.

Este país é dos bolseiros da FCT que viram tudo interrompido; dos milhões de desempregados ou trabalhadores precários; dos novos emigrantes que vi chegarem ao Brasil, a mais bem formada geração de sempre, para darem tudo a outro país; dos muitos leitores que me foram escrevendo nestes três anos e meio de Brasil a perguntar que conselhos podia eu dar ao filho, à filha, ao amigo, que pensavam emigrar.

Eu estava no Brasil, para onde ninguém me tinha mandado, quando um membro do seu Governo disse aquela coisa escandalosa, pois que os professores emigrassem. Ir para o mundo por nossa vontade é tão essencial como não ir para o mundo porque não temos alternativa.

Este país é de todos esses, os que partem porque querem, os que partem porque aqui se sentem a morrer, e levam um país melhor com eles, forte, bonito, inventivo. Conheci-os, estão lá no Rio de Janeiro, a fazerem mais pela imagem de Portugal, mais pela relação Portugal-Brasil do que qualquer discurso oco dos políticos que neste momento nos governam. Contra o cliché do português, o português do inho e do ito, o Portugal do apoucamento. Estão lá, revirando a história do avesso, contra todo o mal que ela deixou, desde a colonização, da escravatura.

Este país é do Changuito, que em 2008 fundou uma livraria de poesia em Lisboa, e depois a levou para o Rio de Janeiro sem qualquer ajuda pública, e acartou 7000 livros, uma tonelada, para um 11.º andar, que era o que dava para pagar de aluguer, e depois os acartou de volta para casa, por tudo ter ficado demasiado caro. Este país é dele, que nunca se sentaria na mesma sala que o actual Presidente da República.

E é de quem faz arte apesar do mercado, de quem luta para que haja cinema, de quem não cruzou os braços quando o Governo no poder estava a acabar com o cinema em Portugal. Eu ouvi realizadores e produtores portugueses numa conferência de imprensa no Festival do Rio de Janeiro contarem aos jornalistas presentes como 2012 ia ser o ano sem cinema em Portugal. Eu fui vendo, à distância, autores, escritores, artistas sem dinheiro para pagarem dívidas à Segurança Social, luz, água, renda de casa. E tanta gente esquecida. E, ainda assim, de cada vez que eu chegava, Lisboa parecia-me pujante, as pessoas juntavam-se, inventavam, aos altos e baixos.

Não devo nada ao Governo português no poder. Mas devo muito aos poetas, aos agricultores, ao Rui Horta, que levou o mundo para Montemor-o-Novo, à Bárbara Bulhosa, que fez a editora em que todos nós, seus autores, queremos estar, em cumplicidade e entrega, num mercado cada vez mais hostil, com margens canibais.

Os actuais governantes podem achar que o trabalho deles não é ouvir isto, mas o trabalho deles não é outro se não ouvir isto. Foi para ouvir isto, o que as pessoas têm a dizer, que foram eleitos, embora não por mim. Cargo público não é prémio, é compromisso.

Portugal talvez não viva 100 anos, talvez o planeta não viva 100 anos, tudo corre para acabar, sabemos. Mas enquanto isso estamos vivos, não somos sobreviventes.

Este romance também é sobre Gaza. Quando me falam no terrorismo palestiniano confundindo tudo, Al-Qaeda e Resistência pela nossa casa, pela terra dos nossos antepassados, pelo direito a estarmos vivos, eu pergunto o que faria se tivesse filhos e vivesse em 40km por seis a dez de largura, e antes de mim os meus antecedentes, e depois mim os meus filhos, sem fim à vista. Partilhei com os meus amigos em Gaza bombardeamentos, faltas de água, de luz, de provisões, os pesadelos das meninas à noite. Depois de eu partir a vida deles continuou. E continua enquanto aqui estamos. Mais um dia roubado à morte.

Fonte:Jornal Público-Cultura

carlos_vaz_marque_3
Em meados de maio, passa a estar disponível nas livrarias a edição portuguesa da revista literária Granta. Portugal junta-se assim à rede mundial do “magazine da nova escrita” e o jornalista Carlos Vaz Marques, diretor da revista, falou à Agenda Cultural sobre o projeto que, no próximo dia 24, vai ter festa de lançamento em Lisboa.

Como surgiu a ideia de trazer a Granta para Portugal?
Terá começado quando descobri haver no Brasil uma edição da Granta, o que me levou a pensar ser possível editar a revista fora da língua inglesa. Simultaneamente, a Barbara Bulhosa, da editora Tinta-da-China, já me tinha desafiado no sentido de virmos a editar uma revista literária e, quando eu chego do Brasil entusiasmadíssimo com aquela descoberta, começámos a projetar a hipótese de fazer uma Granta portuguesa. Entretanto, o tempo passou e não falámos mais no assunto mas, em 2012, a Bárbara vai ao Rio de Janeiro e conhece, por um mero acaso, o editor internacional da revista, o norte-americano John Freeman. Pode-se dizer que, a partir dai, começou a ser viável concretizar a ideia…
Beneficiando do processo de internacionalização da revista…
Que terá começado há uns anos, presumo que, com a Granta em língua espanhola. Agora, há mais uma série delas, nomeadamente a chinesa, lançada em abril deste ano, e a turca, que irá sair também este mês. Se juntarmos às edições já referidas, a italiana ou as nórdicas, vemos estar a formar-se uma família global Granta.
De que modo é que esta “globalização” pode ser importante para os autores portugueses?
Em muito, garantidamente. A constituição desta “família global” implica a circulação dos textos pelas várias edições internacionais, abrindo caminho a que mais escritores portugueses cheguem a outras línguas, a outros leitores e a outras latitudes. É também nosso objetivo vir a fazer uma edição com autores portugueses que possa ser replicada integralmente na Granta de língua inglesa, à semelhança do que foi feito num número que fez um best of de 20 jovens escritores brasileiros.
E, no panorama literário português, que relevância poderá ter a Granta?
Acredito que possa vir a ser muito relevante, porque a Granta desafia os autores a escrever sobre um tema, algo que a maioria gosta, se bem que seja necessário um “empurrão” para isso. Ao lançarmos o desafio estamos a funcionar como um carburante, um estímulo externo à criatividade – sobre isso, ocorre-me sempre a resposta dada por Cole Porter quando lhe perguntaram o que é a inspiração: “é o telefonema do produtor”. Assim, e já nesta primeira edição, temos textos excelentes que certamente nunca existiriam se não os tivéssemos encomendado aos autores.
Tenciona-se também que a revista possa ser uma primeira montra para potenciais escritores?
Numa primeira fase, o objetivo é convidar autores mais ou menos conhecidos que julgue merecerem atenção. Nesta edição temos, por exemplo, a conceituada Hélia Correia, com um texto muito atual chamado Intervencionados, e um jovem autor, o Valério Romão, que editou recentemente o romance, Autismo [Abysmo, 2012]. Mais adiante, tencionamos editar um número, à semelhança do que se faz na Granta de língua inglesa, com textos dos mais promissores talentos portugueses até aos 40 anos. Para esse efeito, estaremos abertos a receber textos que, posteriormente, serão colocados à consideração de um júri de seleção.
A Granta portuguesa vai seguir a fórmula das edições internacionais?
No formato é idêntica à Granta de língua inglesa, incluindo textos inéditos em prosa e verso e portfólio fotográfico, sem recensões literárias nem entrevistas, pelo menos no formato mais tradicional. Como acontece com as edições em outras linguas, o contrato estipula que cerca de metade da revista inclua conteúdos provenientes da “casa mãe”. Ao contrário do que possa parecer, isto não é uma desvantagem, até porque não têm de ser textos da última edição. Deste modo, poderemos publicar, pela primeira vez em português, textos extraordinários do baú da Granta assinados por escritores como Salman Rushdie, Saul Bellow, Martin Amis…
E por falar em notáveis, este número inaugural inclui inéditos de Fernando Pessoa…
Foi uma circunstância feliz. Há uns tempos, quando entrevistei o Jerónimo Pizarro [investigador colombiano, especialista em Pessoa] perguntei-lhe quantos inéditos ainda existiriam no espólio pessoano, tendo respondido que uma grande parte da poesia inglesa nunca foi tocada e nos mais de 30 mil papéis encontrados talvez só metade tenha ainda sido tratada. Mais tarde, voltámos a falar e desafiei-o a indicar-me se existiria matéria entre os inéditos que se poderia enquadrar no espírito da Granta. Apareceu-me então com cinco sonetos inéditos e mais três que têm uma leitura diferente da que até agora conhecíamos.
Como tema para esta edição, o “Eu”. E Pessoa era um homem de múltiplos “Eus”…
O Pessoa, sendo provavelmente o autor da literatura universal que mais radicalmente tratou a questão do “Eu”, acaba por ser um excelentíssimo representante do tema. Mas, o “Eu” pareceu-me ideal para começar, não só pelas potencialidades do tema como pela identidade que propomos afirmar na revista, isto é, cada texto publicado é efetivamente obra de quem o assina no sentido da afirmação de aspetos subjetivos e não ligados a questões de grupo.
A capa e o portfólio deste número são da autoria de Daniel Blaufuks. Será a Granta também um espaço privilegiado para outros criadores que não somente os escritores?
É nossa intensão que sim. Cada número vai ter um portfólio concebido por um fotógrafo, se bem que possa pontualmente vir a ser da autoria de um ilustrador. À semelhança das edições internacionais, e à parte do portfólio fotográfico, cada texto será acompanhado por uma pequena ilustração da autoria da Vera Tavares.
Este é o momento para lançar em Portugal uma revista literária?
Diria que, acima de tudo, este é o momento para afirmar que estamos vivos. O risco é elevado, mas acreditamos que cada número vai estar à altura do nosso sonho e da nossa vontade.

Informações úteis:
A Granta é uma revista literária de periodicidade semestral, com a chancela Tinta-da-China. O preço de capa é 18 euros.

Ficha Técnica

Por Frederico Bernardino | fotos de Humberto Mouco

de: JOSÉ SARAMAGO

saramago

“Escrever é traduzir.
Mesmo quando estivermos a utilizar a nossa própria língua.
Transportamos o que vemos e o que sentimos para um código convencional
de signos, a escrita…”

“…e deixamos às circunstâncias e acasos da comunicação a responsabilidade
de fazer chegar à inteligência do leitor, não tanto a integridade
da experiência que nos propusemos transmitir…”

“…mas uma sombra, ao menos, do que no fundo do nosso espírito sabemos
bem ser intraduzível, por exemplo…”

“…a emoção para de um encontro, o deslumbramento de uma descoberta,
esse instante fugaz de silêncio anterior à palavra que vai ficar
na memória como o rastro de um sonho que o tempo não apagará por
completo.”

FUI SABENDO DE MIM

mia coutoFui sabendo de mim
por aquilo que perdia

pedaços que saíram de mim
com o mistério de serem poucos
e valerem só quando os perdia

fui ficando
por umbrais
aquém do passo
que nunca ousei

eu vi
a árvore morta
e soube que mentia

Mia Couto, in “Raiz de Orvalho e Outros Poemas”

fonte: http://www.citador.ptbarra azul

MIA COUTO(António Emílio Leite Couto) nasceu em Moçambique em 1955.
Cursava Medicina, quando iniciou os primeiros trabalhos no Jornalismo.
Abandonou a Medicina e passou a se dedicar inteiramente à escrita.
Acaba de ganhar o Prémio Camões 2013.


memórias do subsolo

Reciclando a palavra, o telhado e o porão

Ode ao Livro Usado

por Mariana Keller em 06 de set de 2012

Uma homenagem aos livros que transmitem vida.

Eu gosto mesmo é dos livros velhos. Aqueles com as páginas amareladas e trechos sublinhados, notas escritas e folhas levemente amassadas. Os que vêm com dedicatória, com cheirinho que provoca espirro e manchas de café.

O livro não nos pertence, nós é que pertencemos a ele enquanto estamos em sua companhia. Livros deveriam ser sempre transitórios, precisam passar de mão em mão. De diferentes pessoas, em diferentes momentos da vida.

De uma criança que foi obrigada a ler na escola e que não entendeu quase nada do que estava escrito. De uma moça que o ganhou de seu pretendente para ser conquistada. De um amigo oculto. De um aniversariante presenteado. De um apaixonado por capas e que escolhe os títulos através delas. De um escritor em busca de inspiração. De um viajante durante seus trajetos. De um solitário que faz dos personagens citados suas únicas companhias. De um intelectual viciado em leitura. De um estudante desesperado para tirar boas notas. De um questionador em busca de respostas. Dos sonhadores que fazem das palavras escritas sua fábrica de sonhos.

Como são sortudas as pessoas que já leram livros de bibliotecas e sebos. Livros que já visitaram diferentes lares. Porque livro bom é aquele que, além de nos fazer mergulhar na história escrita em suas páginas, também está impregnado de fábulas da nossa vida real, da vida dos leitores que o folhearam.

Fonte: OBVIOUS

de Artes & Poesias


José Saramago in Memorial do Convento

«(…) Fica, enquanto não fores, será sempre tempo de partires,

Por que queres tu que eu fique,

Porque é preciso,

Não é razão que me convença,

Se não quiseres ficar, vai-te embora, não te posso obrigar,

Não tenho forças que me levem daqui, deitaste-me um encanto,

Não deitei tal, não disse uma palavra, não te toquei,

Olhaste-me por dentro,

Juro que nunca te olharei por dentro,

Juras que não o farás e já o fizeste,

Não sabes de que estás a falar, não te olhei por dentro,

Se eu ficar, onde durmo,

Comigo. (…)»

Mais um livro de uma excelente escritora e poetisa que faz o favor de me ceder alguma da sua poesia.

foto de Adelina Velho da Palma autora de: CINCO MULHERES NA CASA DO MEU PAI e abaixo podem

saber como adquirir este seu novo livro.

Anexo o Press Release do livro.

Para já, vai ser vendido exclusivamente na Internet através dos links que se seguem (mas quem não quiser comprar o livro na Internet poderá fazê-lo diretamente a mim)
Link para aquisição do livro em papel: http://www.euedito.com/cinco-mulheres-na-casa-de-meu-pai.html
Link para aquisição da versão eletrónica (E-Book): http://www.euedito.com/cinco-mulheres-na-casa-de-meu-pai-1168.html
Link para a página do livro no Facebook: http://www.facebook.com/#!/CincoMulheresNaCasaDeMeuPai
Com os meus cumprimentos
Adelina Velho da Palmaweb:  adelinapalma.com
facebook: